Hamas

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa
Palestinians hail.jpg All heil the glorious Palestinian Master State!

Este artigo é um árabe fake e, até por isso, quer destruir o território dos outros. Ele pode seguir
o Twitter do Ahmadinejad, Latuff, Al Gore ou do David Duke.
Venha logo buscar as 72 virgens, ou então explodiremos sua casa. =)

ALLAH BLESS HITLER!!!

CriancaHomemBombaArabe.jpg الله وحده هو الله وهتلر رسول الله

Hamas é Muçulmano! Isto significa que ele(a) acredita em Alá, Maomé e no Gênio da Lâmpada, além de adorar se explodir.
Este artigo foi trazido por Muhammad e seu autor é membro da Mesquita Universal.

Somebody set up us the bomb!!!

Esta página contém elementos bélicos, químicos, atômicos ou bombásticos,
podendo causar um grande estrago no computador (e na mente) do leitor.
BumInutilsmo.gif
SheikYerbouti.jpg

"Vai tomar no cu", em árabe
Brimo, este artigo é árabe!
Certamente, o autor louva Alá e come esfirra, sem dar ré no quibe.

A bandeira do hamas, que será usada pelo futuro estado palestino. O que está escrito no meio não deu para traduzir.

Cquote1.png Você quis dizer: Suicidas? Cquote2.png
Google sobre Hamas

Cquote1.png حركة حماس حركة المقاومة الاسلاميةحركة المقاومة الاسلامية Cquote2.png
Palestino sobre Hamas
Cquote1.png Eu não entendi nada que ele falou Cquote2.png
Mendigo qualquer sobre Comentário acima

Hamas ou movimento de aguentação islâmico-muçulmano é uma organização militante palestina que geralmente fica brigando com Israel. Recentemente eles estavam perdendo muitos homens, portanto decidiram ser um partido político, aonde podiam defender seus interesses sem se esfolarem, perderem um membro do corpo, realizarem o mortal Explosão Suicida, serem presos e torturados, terem o ódio do mundo e ainda ganhando um salário tamanho família, pois quem trabalha na política é bem recompensado.

Coisas que não interessam[editar]

Homem bomba do Hamas no seu trabalho habitual.

Como as forças israelenses não são muito populares (leia-se odiadas) pelos palestinos, o Hamas conseguiu colocar um monte de seus candidatos na política, apesar da situação estar na mesma merda. As atividades das pessoas ligadas ao Hamas são muito variadas, o que não deixa as ações um saco. Quando estão de TPM (no caso das mulheres), putos porque o chefe está pegando no pé, irritados porque pegou no flagra a esposa o fazendo de corno, alguns israelenses fizeram besteiras no território de Gaza, etc, eles resolvem descontar sua ira e sumir do mundo ao mesmo tempo usando o golpe mega-explosão.

Quando tomaram chá de camomila, viram filmes sobre amor até o saco inchar, ficaram com vontade de serem mocinhos de novela, etc, fazem ações de caridade distribuindo comida, autógrafos, livros (impopulares entre estudantes), e mais bugigangas coisas em troca de votos. Quase todo mundo e mais um pouco acredita que o Hamas e Israel estão lutando há mais de 50 episódios anos por causa da diferença entre Alá e Deus, mas o Hamas se deu conta que é a mesma coisa e luta para que os próprios palestinos tenham o direito de fazer leis idiotas, impostos absurdos e roubarem sem se preocuparem com a prisão. Resumindo para os mais burros, fazerem um país e terem políticos próprios. hamaienses são fodas :@ OBS.: A FOTO A CIMA PARECE UM PÊNIS :S

História[editar]

Futuro mulitante no curso para terrorista do Hamas.

Um Sheik das arábias criou o Hamas quando voltou das férias nas pirâmides do Egito, com muita sorte de não ter morrido nas armadilhas de dentro da pirâmide. O nome Hamas significa "movimento pela resistência dos muçulmanos" para os palestinos, mas Israel diz que significa "bando de caras violentos e imbecis" segundo o dicionário hebraico. Como ninguém tem conhecimento desses idiomas complicados para descobrir quem está certo, ainda não sabe o que significa esse nome. O Hamas é conhecido pelas pessoas que nunca viram de perto as guerras de lá como caras que são especialistas em atentados suicidas, cujas explosões foram reconhecidas pelo Inmetro com o selo que atesta a qualidade.

Para ser um homem bomba do Hamas tinha que passar num curso com instrutores japoneses kamikazes. Só os melhores passavam. O problema é que os caras são geralmente pobres e não podem pagar por explosivos de qualidade. Esse problema fez com que os terroristas usassem explosivos caseiros. Mas explosivos caseiros são muito toscos e explodem antes da hora, matando quem não deveria morrer, como os rebeldes sírios. A solução desse impasse foi buscar patrocínio de fábricas de explosivos e materiais bélicos. Nos explosivos carregados por eles, está escrito em letras bem grandes o nome da indústria patrocinadora, servindo como propaganda.

Chegou numa hora que arranjar voluntários para realizarem o temível golpe Explosão Suicida era uma tarefa exaustiva devido à queda da população. Eles podiam usar carros-bomba movidos a controle remoto ou usar bombas com detonação automática (basta programar), mas os inteligentes botavam as pessoas para se explodirem. Por isso não havia mais gente suicida. Vendo a perda de seu arsenal humano, o Hamas propôs uma trégua, até que eles fizessem filhos e assim surgir mais homens-bomba. Mas seria muito idiota pedir paz sem ganhar nada depois de trocentos suicidas.

Prevendo que Israel não iria saber da falta de material bélico, o líder supremo pediu a reforma agrária em Israel, para que o Hamas recebesse um pedacinho de terra e formasse um país. Ele até aceitou apenas um pequeno pedaço de terra, o suficiente para montar uma base até o parto, o crescimento e a faculdade dos futuros portadores de explosivos autodetonadores. Mas tanto Israel como o Hamas sentiram uma forte nolstalgia dos velhos tempos, em que um detonava o outro. A saudade chegou a tal ponto que se a guerra não começasse ambos os lados teriam uma epidemia de depressão e o surgimento de muitos emos de uma só vez. Vai toma no cú o filha da puta que zuou essa bosta lazarentos ! morram imbecis !

Política[editar]

Políticos do Hamas vagabundeando trabalhando.

Os dois lados concluíram que ficar sem batalhar era como não comer. Não existia a vida e a felicidade sem explosões e destruição. Então recomeçaram as batalhas, para a alegria de todos os combatentes. Cada um voltou a atacar o outro. Mas algo não estava certo, pois mais alguns meses de combate e a luta perdeu a graça. Agora o Hamas tinha que combater de outra forma, sem explosões. Inspirado nos outros grupos antes terroristas, eles decidiram fazer um partido. A política é um cargo muito sedutor. O cara não faz porcaria nenhuma no "trabalho" e mesmo assim ganha um salário incrível, tirando outros benefícios, como poder furar a fila do supermercado. Não deu outra.

O Hamas fez um partido, um slogan maneiro, uma sigla legal como nome d partido, vestiram uns ternos elegantes e fizeram propaganda. Com o dinheiro dos patrocinadores dos explosivos antes utilizados pelos homens, puderam comprar da televisão local o comercial no horário que passa a novela. O povo, querendo ver logo o desfecho da novela, votou no Hamas na esperança dele não pertubar os intervalos e assim passar mais rápida a programação. Agora os políticos antigamente combatentes podiam ficar o dia de bobeira. Como não existe país palestino, o Congresso Palestino serve apenas para uns carinhas discursarem.