Epístola

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa

Cquote1.png Você quis dizer: Pistola Cquote2.png
Google sobre Epístola

Uma epístola escrita por Cente, utilizando tinta que só os inteligentes podem enxergar. Não é um belíssimo poema?

Epístola é uma poderosa arma verbal utilizada pela Dona Neves e pelo Professor Girafales. Segundo o Chaves, epístola também é como uma carábina, só que menórzina.


Surgimento[editar]

Apesar de ter a internet, o Império do Mal também manda epístolas de vez em quando

As primeiras epístolas provavelmente surgiram em 1400 e lá vai pedrada, utilizadas como artifício militar, pois os soldados dos United States of Mc Donalds que estavam na guerra precisavam se comunicar com sua terra natal, para pedir para o governo mandar por helicóptero outra rodada de Mc Lanche Feliz com uma Coca Cola geladinha.

Tempos depois, as epístolas começaram a ser comumente utilizadas, principalmente pelas companhias mais falsas que nota de três reais, que enviavam para todo mundo epístolas com a mesma mensagem de Sign and send here to enlarger your penis. Foi assim, a partir das epístolas, que surgiram os tão famosos e adorados spans.

Nos dias atuais (ou nem tanto) as epístolas são muito utilizadas por cavalheiros, que jogam suas cantadas de rola ou não rola a partir dessas epístolas. As epístolas também são usadas por biscavós, para passar recados importantes (ou não) para sua família, como é o caso de Dona Neves.


Epístolas famosas[editar]

As epístolas só ficaram conhecidas mundialmente quando fez uma aparição no seriado do Chaves, e é se tornou inesquecível, pois, como o seriado do Chaves já foi reprisado mais de 8000 vezes pela Televisa e pelo SBT, ela já fez milhares de aparições.


Epístola do Professor Girafales[editar]

Segue-se uma das mais famosas epístolas, escrita pelo poeta Professor Girafales:


A presente epístola

Escrevi porque quero tanto...

Lhe falar de minhas tristezas


Para princípío de conversa

Eu tenho que pagar tributo a sua beleza

Seus belos olhos...

Em sua boca...

Sorrisos ardentes...

Por isso quero lhe dizer...

Que a senhora tenha certeza

Que me agrada muito


Assinado: P.GJ


A mesma epístola, segundo Chaves[editar]

Cidadãos mexicanos, lendo uma epístola com todo o carinho e atenção

Apresentei a pistola

Escrevi porque quero tonto...

Lhe afanar as três terezas


Para príncipe da condessa

Eu tenho que pegar teu bruto a sua magreza

Cebolas, alhos...

Em sua beca...

Sorris a usar dentes...

Por isso quero lhe dar zé...

Que a senhora tenha a cerveja...

Que me agrada minto


Assinado: G.P eto

Epístola da Chiquinha[editar]

Chiquinha, a Clarice Lispector das epístolas

A renomeada escritora Chiquinha também deu uma epístola à Chaves e Seu Madruga direto da casa de suas tias de Presente pro Dente.


Presidente Prudente.

Papai querido, eu passei toda semana tomando aulas de dança

Na Academia de Danças Indígenas"

Polcas, Guarânias e Bumba Meu Boi.

Ontem de manhã minha tia discutiu comigo

E tudo isso porque eu sempre faço fofocas

Isso me deu raiva

Então tive uma ideia, procurei minha tia e lhe participei

Disse pra ela que meu pai é viúvo

E como viúvo é um homem que não recebe apoio material e...

E como vive só, eu quero voltar com ele

E minha tia desse que está bem.

Irá me levar o capataz

E eu vou chegar em casa com o velho

E como o capataz não sabe onde eu moro,

Seria bom que viesse me receber na estação.

Mas de pressa que já está atrasado!!!

A Epístola da Chiquinha, segundo Chaves[editar]

Presente pro Dente

Papa querino, eu passei toda semana tomando..

Na Epidemia de Panças Indigestas"

Porcas, Guaranás e Pombas de Bois.

Ontem de manhã, minha tia desentupiu o umbigo


Chaves começa a rir feito maluco.


E tudo isso porque eu sempre faço fofó


Volta a rir.


É só médio ruiva

Então tive uma ideia, procurei minha tia e lhe parti...

Disse a ela que meu pai é saúvo


Chaves começa a correr, e com isso ele começa a ler melhor.


E como viúvo é um homem que não recebe apoio material e...

E como vivero só, eu quero voltar com ele,

E minha tia disse que está bem.

Irá me levar o cai-pra-trás

E eu vou chegar casada com o velho


A partir de agora, Seu Madruga começa a ler a epístola de Chiquinha e lê com a voz da mesma.


E como o capataz não sabe onde eu moro,

Seria bom que viesse me receber na estação.

Mas de pressa que já está atrasado!!!

Epístola da Dona Neves[editar]

Dona Neves, utilizando toda sua sapiência para escrever sua epístola

Uma segunda epístola, tão famosa quanto a do Professor Girafales e da Chiquinha, escrita pela Dona Neves:


Toluca, estado do México

A 15 de agosto, oitenta e cinco

Que dirá, querida Chiquititinha

Li sua carta ontem

E na alegria que eu senti pela leitura

Te comunico que vou voltar


Assinado: D.N


Epístola da Dona Neves, segundo Chaves[editar]

O sentimento mais comum ao se receber uma epístola é a felicidade imediata

Ta loca está ondi Mexico

Aqui sim desgosto, oitenta e sinto

Que dirá, querida Chiquititinha

Li sucata ondi

E na alergia que sentei pela loucura

To com um mico que vai votar


Assinado: D.N.V.R

Epístola do Mestre Linguiça pra briguenta do 14 Seu Madruga pro Açougueiro (mas lida indevidamente pela velha carcomida)[editar]

OBS - É isso que o Mestre Linguiça pensa da Velha Coroca comedora de alfafa:

  • 2 kg de retalho c/ osso
  • 2 pernas de frango
  • 2 pés de porco
  • 1 kg de língua

Poder[editar]

As epístolas tem um incrível poder de persuasão, que pode ser comparado às técnicas de Seu Madruga, fazendo o leitor aceitar imediatamente todas as baboseiras que estão escritas nela, como aconteceu com Dona Florinda, que, quando leu a epístola que o Seu Madruga enviou ao açougueiro (Hum, boiola!) e pensou que era enviada à ela pelo Professor Girafales, em poucos instantes virou o capeta e soltou um Florinda Destroyer Head Slap na cara do professor, deixando-o todo vermelho.

Porém, não se passou nem dez segundos, e foi só o Professor Linguiça mandar uma segunda epístola com palavras mais gays que você, que a Dona Florinda já se derreteu inteira, e o perdoou.


Ver também[editar]