Don Rosa

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa
Mattgroening.jpg Ai, minha mão, porra!

Este artigo é sobre algum desenhista, rabisqueiro ou uma pessoa que não conseguiu emprego de pintor. Ele passa a madrugada desenhando, tem calos no lugar das digitais e é viciado em filmes de violência. Se vandalizar, Ken Akamatsu passará a borracha em você!

Don Rosa, o "herdeiro" de Carl Barks.

Keno Don Hugo Rosa conhecido simplesmente como Dona Rosa (ui!), é um autor de banda desenhada (Ô Manuel tu na cabeça tem titica, larga de putaria e vai cuidar da padaria...) história em quadrinhos americanas e ilustrador famoso por criar histórias do Tio Patinhas e do Pato Donald. Apesar de ser bem talentoso, é um grande plagiador do "Homem dos Patos", o grande Karl Marx Carl Barks, o qual, Rosa chega ao cúmulo do puxasaquismo em chamá-lo de "mestre", copiando descaradamente muitas de suas histórias e personagens criados por ele, após o mesmo usar muito ecstasy.

Rosa criou cerca de 90 histórias entre 1987 e 2006, ganhando o prêmio framboesa de ouro em 1995, ao criar a famigerada A Saga do Tio Patinhas.

Quem é você?[editar]

Como nem mesmo a Wikipédia possui algum conteúdo interessante sobre Don Rosa, criamos nossa própria biografia sobre ele. Sendo um americano descendente de italianos, Rosa era mais um dos vários nerds que nunca seriam alguém na vida e perdeu grande parte de sua infância e aborrecência lendo histórias em quadrinhos. Assim, como todo nerd, nunca aprendeu a jogar futebol, nem a andar de bicicleta ou de namorar garotas. Ao invés disso, tinha uma grande quantidade de quadrinhos, o que causava estranhamento em seus pais, que o colocaram num hospício duas vezes, contudo, os médicos disseram que esse vício não tinha cura. Assim, Rosa começou a desenhar quadrinhos antes de poder escrever. Desde aquela época, seu ídolo era Carl Barks, que na época, já tinha mais de 60 mil ânus.

Os quadrinhos favoritos de Rosa, eram de um pato capitalista, avarento e rico, nada menos que o Tio Patinhas, um plágio descarado de Ebenezer Scrooge, um velho muito egoísta, que sempre aparece naqueles filmes de natal. Como todo nerd é inteligente, Rosa se formou na Universidade, em engenharia civil, mas como era virgem e mijava nas calças quando via uma garota, ainda lia quadrinhos mesmo tendo mais de 20 anos e assim, nunca exerceu a profissão.

Carreira[editar]

O maior "trabalho" de Don Rosa, apesar de ser chupado do Barks.

Rosa ficou famoso ao fazer várias caricaturas na Universidade, especialmente quando roubou descaradamente uma Chonofômpila de um pobre garotinho idiota mexicano em troca de um sanduíche de presunto.

Em 1986, Rosa foi contratado pela Disney e assim, realizou o sonho de continuar o legado de Carl Barks, copiando descaradamente suas histórias do Tio Patinhas e do Pato Donald. E assim, seguiu, sempre fazendo referência para Barks e desconsiderando qualquer outro artista Disney que foi importante no Universo Duck. Porém, os desenhos de Rosa eram bem feios e ele apelava muito para a comédia pastelão, não ganhando assim, prestígio algum.

Porém em 1991, decidido a mostrar a todos que tinha talento, começou a criar A Saga do Tio Patinhas, onde afirma que ele é criador do pato sovina, já que Barks nunca se deu ao trabalho de fazer isso. Depois de criar 12 capítulos e mais alguns "fillers" adicionais, Rosa finalmente alcançou a fama, embora, quem tenha enriquecido na verdade foi a Disney. Isso porque o imbecil assinou o contrato sem ler antes as letras miúdas que diziam que 99% dos lucros ficavam com a Editora e apenas 1% para o escritor.

Por causa disso, Rosa proibiu o Brasil e qualquer país de usar o seu nome na promoção de quadrinhos ou edições de colecionadores sem antes receber royalties. Assim como qualquer outro artista da Disney, ele nunca recebeu royalties por suas histórias em todo o mundo. A finada Editora Abril simplesmente cagou e andou para isso e simplesmente publicou A Saga do Tio Patinhas sem o nome de Don Rosa como criador. Ou seja, além não ganhar nada, hoje em dia ele voltou a ser um desconhecido.

Aposentadoria[editar]

Don Rosa sempre foi meio cegueta, basta ver como o Tio Patinhas que ele desenhava era horrível. A partir de 2007 a coisa fudeu de vez e ele teve de se aposentar. Isso gerou uma grande comoção entre os fãs de todo o mundo, menos dos Estados Unidos, onde até hoje ninguém sabe quem ele é. Segundo ele, nem mesmo os vizinhos da vizinhança conhecem sua profissão. (aff...)

História, personagens e o escambau[editar]

Don Rosa mostrando seu carinho pelos fãs, depois de matar o Tio Patinhas.

Praticamente, Rosa não criou nenhum personagem significante na Disney. Todos o chamam de "herdeiro de Carl Barks" ou "chupador de ideias", o fato é que, ele criou histórias novas baseadas nas do seu "mestre". Além disso é um exagero compará-lo com Barks que criou mais de 600 histórias, enquanto Rosa fez apenas 90.

Gosta mais do Patinhas do que do Donald, porque é avarento como ele. Também detesta o Peninha, personagem clássico e retardado que fez muito sucesso no mundo, mas como não foi criado nos Estados Unidos, Rosa o desconhecia, ainda mais porque não foi criado por Barks, mas foi forçado a colocá-lo na árvore genealógica dos patos. O mesmo vale para o Patacôncio, que apesar de ser criado por Barks, é um total desconhecido por lá. Criou apenas uma história do Zé Carioca com aquele visual antiguissimo dos anos 40 com paletó, ao invés do visual malandro maconheiro dos anos 90, com aquela camiseta.

Rosa gosta tanto do Tio Patinhas que chegou a matar o personagem ao publicar uma imagem com os sobrinhos adultos e o Donald velho chorando, chocando assim, crianças do mundo inteiro, causando grandes traumas e acabando com aquela história imbecil que o velho tem mais de 150 anos.

D.U.C.K.[editar]

Sabe-se lá porque a maioria das histórias de Rosa tem as letras D.U.C.K. escondidas nos quadrinhos. D.U.C.K, em geral significa pato em inglês, mas Rosa quis dizer isso: Disney Um Cu do Karalho.

Mickeys[editar]

Outra curiosidade são os Mickeys escondidos. Rosa sempre esteve interessado em criar apenas histórias da família Pato e de um certo modo, não foi com a cara do Mickey. Assim, ele muitas vezes esconde pequenas cabeças ou figuras do Mickey Mouse nos quadrinhos, muitas vezes em uma situação humilhante ou indesejada, como esmagado por elefantes ou o Donald dizendo para o Zé Carioca que já está de saco cheio dele. De fato, o Mickey é um porre mesmo, aquela vozinha do Pablo Vittar então, nem se fala...

Ver também[editar]

v d e h