Despoesias:Desciclopíadas

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa
Despoesias.png
Gregorio-de-matos.gif

Este artigo é parte do Despoesias.

O seu Cancioneiro/Romanceiro livre de conteúdo.

Camões, poeta e homem-tronco.

Pero Vais de Caminhões[editar]

Os Descíclopes[editar]

Grito Primeiro[editar]

1[editar]


As armas e os mafagafos assinalados,
Que da banda larga cotidiana,
Por sites nunca de antes navegados,
Passaram ainda além da República das Bananas,
Em guerras de edição esforçados,
Mais do que prometia a força humana,
E entre gente escrota edificaram
Chuck Norris, que tanto sublimaram;

2[editar]


E também as memórias alocadas
Daqueles HDs, que foram dilatando
A Força, o Império, e os gatinhos viciosos
De negros e de japas andaram devastando;
E aqueles, que por edições vandalizadas
Se vão da lei da morte libertando;
Digitando espalharei por toda parte,
Se a tanto me ajudar o teclado e o mouse.

3[editar]


Cessem do churrasco grego e do gaúcho
As navegações na internet que fizeram;
Cale-se de Jeremias e de Quevedo
A fama das vitórias que tiveram;
Que eu canto o peito ilustre desciclopano,
A quem Netuno e Marte obedeceram:
Cesse tudo o que a múmia antiga canta,
Que outro valor mais engraçado se alevanta.

4[editar]


E vós, ninfetas minhas, pois criado
Tendes em mim um novo escravo ardente,
Se sempre em verso humilde celebrado
Foi de mim vosso cafetão alegremente,
Dai-me agora um som alto e sublimado,
Um estilo afetado e demente,
Porque de vossas águas, Lula ordene
Que não tenham inveja às de aguardente.

5[editar]


Dai-me uma fúria grande e sonorosa,
E não de emo nazista ou fruta ruda,
Mas de cannabis deliciosa,
Que o peido acende e a cor ao gesto muda;
Dai-me igual canto aos peitos da famosa
Sylvia Saint, que à masturbação tanto ajuda;
Que se espalhe e se cante no universo,
Se tão sublime preço cabe em verso.

6[editar]


E vós, ó bem nascida segurança
Da desciclopana antiga liberdade,
E não menos certíssima esperança
De aumento da pequena sacanagem;
Vós, ó novo temor da Wikipédia,
Maravilha fatal da nossa idade,
Dada ao mundo por Zeus, que todo o mande,
Pária do mundo ao Diabo dar parte grande;

7[editar]


Vós, tenro e novo ramo incandescente
De uma árvore de cogumelo mais fumada
Que nenhuma nascida no Ocidente,
Abortada ou apocalípitica chamada;
Vede-o no vosso ferro, que quente
Vos amostra a camiseta já passada,
Na qual vós mostarda e esperma derramou
E que empregada doméstica limpou.