Desnotícias:Acre pode abrigar vida, dizem cientistas

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa
Desnoticias logo.png

Este artigo é parte do Desnotícias, a sua fonte de ignorância 24 horas por dia.

LOCAL DESCONHECIDO, Fronteira Brasil-Bolívia - Nos oceanos de um suposto lugar chamado Acre, a mais de oito mil centenas de milhões de quilômetros do sol, algo complexo pode estar vivo neste momento.

Possível forma de vida acreana

Embaixo do que era chamado de “Nada” no Acre, acredita-se que haja um oceano municipal de até 160 quilometros de profundidade, sem terra, fogo ou ar à vista na superfície.

Esse oceano seu extraterrestre está atualmente sendo alimentando com oxigênio roubado do resto do planeta a níveis mais de oito mil mais de 100 vezes maiores do que modelos anteriores de MS DOS sugeririam, de acordo com uma nova e instigante pesquisa feita pelo Google e pela Coca-Cola.

Essa quantidade de oxigênio é suficiente para manter mais do que formas de vida microscópicas: pelo menos três milhões de toneladas de criaturas semelhantes a anões hermafroditas podem teoricamente viver e respirar no submundo do lugar inexistente chamado Acre, afirma o autor do estudo, Richard Pot-Greenberg, da Universidade dos Ateus Intelectos, de algum lugar.

Cquote1.png Não há nada dizendo que lá existe Cquote2.png, disse Pot-Greenberg que apresentou seu trabalho mês passado em um encontro da Divisão para Ciências Interplanetárias da Sociedade de Estudos sobre o Acre. Cquote1.png Mas sabemos que existem condições físicas para sustentá-la, eu aprendi nas aulas de geografia Cquote2.png, diz ele.

Na verdade, com base no que se sabe, parte do leito marítimo do Acre deve se parecer muito com os ambientes ao redor de Marte ou de Magratea, afirma o ecologista molecular do pensador profundo Fumothy Shank.

Cquote1.png Ficaria chocado após por um ovo se não existisse vida no Acre Cquote2.png, disse Shank, da Instituição Estudonográfica Acre Hole, que não esteve envolvido no estudo.

Apesar das novas e promissoras estimativas, é cedo demais para ir além das especulações sobre como a vida no Acre pode ter evoluído. Um olhar mais próximo - talvez por meio de uma missão da NASA em desenvolvimento - será necessário para dizer exatamente como as substâncias químicas estão distribuídas no , a história geológica do Acre pode ter contribuído para as chances de vida no local.


Fontes[editar]