Deslivros:Mosk!

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa
Nuvola apps bookcase.png
Este artigo é parte do Deslivros, a sua biblioteca livre de conteúdo.

A mosca 23y saiu para mais um dia.
Pousou sutilmente na mesa. A comida estava atraente.
O líquido que saiu de sua boca serviu para engolir uma gota de caldo grosso.
Voou. O lixo era bem mais interessante.
O líquido da decomposição lhe era como um manjar dos deuses.
Sentia-se com os impulsos razoavelmente saciados.
Décimo quinto dia de vida.
Todo dia a mesma rotina.
Voar em busca de alimento. Voar atrás de companheiras para procriar. Voar para longe delas para não criar vínculos ilusórios. Voar fugindo dos predadores e dos mata-moscas. Voar em grupos superficiais.
Isso constituía estar satisfeita em sua natureza.
Tinha ainda quinze dias de existência.
Metade da vida já se esvaíra e aquela mosca não queria seguir na mesmice. Esse insight representava um diferencial significativo.
Em toda a história, nenhuma mosca atingira a capacidade de questionar a natureza das Muscas.
Num repente, decidiu romper com aquele condicionamento medíocre e aproveitar sua vida – ou o resto dela - intensamente. Dali a pouco se encontrou com a mosca 13f, com quem já tivera uma relação de multiplicação.
Sua insinuação sexual foi devidamente aceita.
A mosca 13f, no entanto, surpreendeu-se pela voracidade e pelo prolongamento do ato. Assustou-a, inclusive, o sadomasoquismo apresentado por 23y.
Quando esboçou algum pedido de trégua, 13f viu-se acossada por 23y, que a fustigou ferozmente.
Quando deu por si, viu a 13 f morta, violentamente arrasada.
Ante aquela visão, a mosca 23y sentiu um prazer que nunca experimentara antes. A recompensa que aquele ato trouxera foi imensurável.
Voou livremente – como nunca o fizera. Uma sensação agradabilíssima percorria seu corpo peludo. Seus olhos faiscavam de puro êxtase. Tencionava atravessar a cozinha para ir de encontro à uma figura humana feminina por quem já vinha nutrindo desejos libidinosos, quando foi engolida por um sapo que se encontrava perto da mesa.
— Gilberto, tira essa coisa feia daqui!!!!!!!!! – gritou a mulher, histérica.
E o homem, nervoso:
— Bárbara, você está se comportando como uma mosca que tem pavor de sapo! Por favor, mantenha o equilíbrio!