Deslivros:GoDog - A lenda do deus cachorro

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa
Nuvola apps bookcase.png
Este artigo é parte do Deslivros, a sua biblioteca livre de conteúdo.
O deus cachorro.

Tudo começou quando eu passeava com minha dona. Passávamos ao lado de uma loja de ração. Não sei de onde humano tira que essas miseras são gostosas, porque sei bem que eles não comem isso e quando comem fazem a mesma cara de quando eu enfio a cara no rabo de um cachorro de rua porco que não sabe nem limpar o cu depois de cagar. Então só esses humanos burros mesmo pra acharem que a gente acha aquilo é bom, amigo, bom é comer salame ou bife, isso sim (cru, claro, tem uns humanos idiotas também que dão o resto cozido e mastigado pra gente, vão tomar no orifício!).

Daí do nada vi. Vi o iluminado. Um enorme cachorro ereto, algo que nunca tinha visto na vida. E enorme. Gigantesco. Um deus. Sim, o Deus Cão. In Dog We Trust. GoDog, a lenda, o mito, o rei dos cães. E lá ele, dançando ao som de algum axé que fez sucesso no carnaval dessa década (pra quem não sabe, um ano pra os humanos burros é quase uma década pra gente, au au). E segurando uma lata de ração. Pela primeira vez em minha longa-curta vida que há de durar uns 12 anos humanos no máximo, eu senti vontade de por meu focinho num prato de ração daquelas. Fala sério, que maravilha era aquilo.

Acho que fui hipnotizado pelo deus. Pelo cão-deus ou deus-cão? Não sei como me comportar ante aquela imagem, um cão que conseguiu ficar do tamanho de um urso e que podia ficar de pé o tempo todo, sem precisar voltar a por as quatro patas no chão, e sem ser pra ficar acariciando um humano burro (apesar de sempre virem umas criancinhas humanas abraçarem ele e ele vez por outra se engraçar por umas humanas aí).

Fiquei a admirar a cena por muito tempo. Até que vi o impossível. O Deus Cão tirou a cabeça! E revelou que dentro tinha uma cabeça humana falante! Eu poderia até me sentir decepcionado, pensei até que seria um humano tolo fingindo erradamente ser um de nós. Daí percebi que o deus-cão na verdade dominava mentes humanas. Ele consumia seus corpos, por isso ficava ereto. É ISSO!

Nossa, são deus cão, venerável que conseguiu subverter a ordem e domesticou os humanos ao ponto de os escravizar e devorar, rogai por nós no céu dos cachorros que minha dona sempre disse que existia!