Deslivros:Como virei um caso de sucesso profissional no Japão

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa
Nuvola apps bookcase.png
Este artigo é parte do Deslivros, a sua biblioteca livre de conteúdo.
Primeiro deslivro da Trilogia do Limparrabo
Já limpei a bunda desse cara

Meu nome é Rogério Fonseca, brasileiro nato, e era um profissional de sucesso no Brasil. Fui um grande executivo de uma fábrica de palito de dente, mas a recessão me fez perder o emprego. Desempregado, com o cu na mão, vi uma notícia que precisavam de mão de obra barata no Japão. Havia o problema de eu não saber falar japonês, só inglês, mas mesmo assim fiquei interessado no emprego.

No dia seguinte, acordei bem cedo e fui à agência. Fiz uma entrevista e gostaram de mim. Viajaria já no outro dia ao Japão, com um novo emprego e uma nova vida. Chegando ao país, conheci meu novo emprego - estripador de peixe. Não era o melhor dos trabalhos mas é melhor que ficar desempregado.

Passaram-se quatro meses, saindo do trabalho, vi num papel jogado no chão que precisavam de pessoas com mãos firmes para trabalhar em algo muito importante. Felizmente o papel estava em inglês, e pedia apenas estrangeiros para esse trabalho. No papel dizia que o salário era excelente. No mesmo dia fui ver o que era.

Cheguei ao local do emprego, fiz uma entrevista, analisaram minhas mãos, minhas unhas, meus dedos, meus braços e disseram que eu estava entre os selecionados. Pelo tanto que olharam meus braços, mãos, dedos e unhas, eu já estava com medo de que precisavam de dublê de mão pra um pornô sobre masturbação.

No outro dia, o pessoal que me entrevistou disse pra eu ir num local, para uma bateria de testes. Fui lá, e tive que depilar "balões de ar", que estavam com creme de barbear. Queriam ver se, além de firmeza, eu tinha sensibilidade nas mãos. Consegui barbear o balão com sucesso e eles disseram que eu era o escolhido, porém eu ainda não sabia pra que diabos eu tinha sido selecionado.

Finalmente um senhor de idade veio até mim e disse que meu trabalho seria um dos mais honrosos de todo o Japão, e que eu ganharia algo em torno de 20 mil reais (na verdade ele disse que seria algo em torno de sei lá o que sei lá o que, mas convertendo em reais fica 20 mil) mensais! Isso é quatro vezes mais do que eu ganhava no Brasil.

Eu já imaginava que eu seria depilador pessoal do imperador quando o senhor disse que meu trabalho seria o de limpar bundas de lutadores de sumô. Na hora que ele terminou a frase minha casa caiu, mas como eu tava fodido limpando peixes, resolvi aceitar essa merda.

A primeira vez que limpei a bunda dum lutador de sumô foi traumatizante. Tinha que abrir bem a bunda desses lutadores gordos gigantes e passar um pano delicadamente, e repetia o processo várias vezes. Vomitei cerca de dez vezes no primeiro dia de trabalho, oito vezes no segundo dia, cinco vezes no terceiro, três vezes no quarto e uma só vez no quinto. No sexto dia de trabalho não vomitei mais; acho que já tinha me acostumado.

Passaram-se três anos, e hoje eu sou um profissional de respeito no Japão. Ganho cerca de 40 mil reais, e só limpo a bunda de lutadores campeões. Assim, venci na vida.