Deslivros:A história de Jiguivaldo, um mafagafo sem dentes

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa
Nuvola apps bookcase.png
Este artigo é parte do Deslivros, a sua biblioteca livre de conteúdo.

Sejam todos bem-vindos, aqui você vai conhecer a história do pobre Jiguivaldo, um mafagafo do campo que é banguela. Que comece a história. (NOTA: A história foi narrada por ele mesmo)

Capítulo 1: Introdução[editar]

Olá, (breve pausa)conto a vocês a minha história, afinal, o que é um mafagafo banguela? Não tenho um futuro de um mafagafo normal. Isso é muito triste, não posso comer, falar direito, se não quem está na minha frente toma banho. Mas ao contrário de outros mafagafos, não sou gordo, muito menos quadrado, isso se deve a minha doutrina "Penso,logo existo". Nada demais, mas sou um ninja, nessa mesma doutrina, aprendi a arte de camumflagem infantil que é "Não posso vê-lo, logo, não pode me pegar". Ainda assim, minha vida não é normal.

Capítulo 2[editar]

Meu dia começa com o canto do galo. Levanto, vou pegar uns grãos de café no meu cafezal, preparo o café com o recém esmagado. Depois vou começar minha vida de fazendeiro. Hoje colhi mais de 8 mil grãos de feijão e uma quantidade de arroz suficiente pra encher uma piscina de 1000 litros. Fiz essa medição baseada na minha própria experiência. Depois eu almoço, pego uma parte do que ainda tinha, se falta, coloco um pouco do que colhi, o prato normalmente é pequeno e úmido, pois não tenho dentes, aí vocês me perguntam Cquote1.png Por quê não compra dentadura? Cquote2.png: Simples, não existem dentaduras para mafagafo, que normalmente tem dentes. Dentaduras de humano são pequenas pra mim, já que um mafagafo tem a boca suficientemente grande pra engolir um humano. Sem mastigar. Mas nem por isso acho que preciso de dentes, sou muito musculoso, sarado (Não tenho gripe á 3 anos) e muito simpático (simpático, não gordo), sou torcedor do Coritiba, mas um dia tudo mudou.

Cap 3[editar]

Foi no último jogo deles, chorei que nem rockeiro ouvindo pagode, enquanto os são-paulinos pulavam de felicidade do segundo, terceiro lugar, nós quase em último, desde aquilo, sou obrigado a ouvir piadinhas infames dos vizinhos, todos torcem pro Inter. TODOS, mas um dia, aconteceu uma coisa obscura, meus vizinhos gritaram, as vacas mugiam, os animais não paravam quietos, foi quando eu vi: ET's ESTAVAM LEVANDO O MEU CACHORRO!!!! Era o Biob, era pra ser Bob, mas a mulher que tava no balcão da adoção entendeu errado, e aí saiu essa bosta esse nome, nem liguei para a luz verde que abduz, pulei para salvar o meu cachorro, agarrei ele com toda a força, nós caímos no chão, tudo normal, mas aí veio a tragédia: A nave soltou um relâmpago no Biob... Ele morreu em minhas mãos, então eu jurei que se eu visse ETs na minha vida de novo, acabaria com eles. A parte seguinte desse deslivro fica na página abaixo: