Deslivros:A Cebola do hortifruti

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa
Nuvola apps bookcase.png
Este artigo é parte do Deslivros, a sua biblioteca livre de conteúdo.

Cquote1.png Que história triste... Cquote2.png
Qualquer um sobre a Cebola do hortifruti.

Agora você lerá uma das histórias mais emocionantes já inventadas pelo homem, ou por cachorros. Se trata da patética história da Cebola do hortifruti, uma trama de sonhos, desejos e um final trágico para a Cebola. Titanic e A Lagoa Azul não chegam nem perto do drama que a Cebola viveu, e ainda vive no Inferno das cebolas.

O começo[editar]

No hortifruti haviam diversos tipos de legumes, vegetais, frutas, ratos e baratas, mas havia também a Cebola, que se destacava das cebolas comuns por ter um sonho muito bonito: ter filhotes cebolóides gigantes para libertar todos os alimentos e animais asquerosos do terror que viviam no hortifruti. O que dificultava a realização dessa façanha era justamente o fato do dono do hortifruti, conhecido como Velho Brocha, dizer que "precisava dos alimentos e animais asquerosos para que seu negócio andasse" (dá para acreditar numa mentira dessas?!).

No entanto, a Cebola era intrépida e logo planejou um jeito de ter uma penca de filhotinhos que colocaria um fim nesse jugo: ela decidiu liberar geral para todos os cebolos fogosos do hortifruti e assim ficou prenhe cheia de filhotinhos em questão de dias. Essa seria uma luz no fim do túnel...

Nossa querida Cebola quando tinha 15 anos.

O meio[editar]

Com esperança renovada, a Cebola cuidou bem de seus filhotes, deu um pé na bunda de todos os cebolos que poderiam ser pais de seus filhotes e lhes deu suplementos para que ficassem fortes e gigantes; assegurando o plano inicial da mamãe Cebola. Só que o Velho Brocha queria lucrar a qualquer custo e vendia sem dó nem piedade as batatas, cenouras, alfaces, pimentões, ratos de esgoto e baratas amestradas que possuía no hortifruti, isso tudo sem as autoridades locais saberem das atrocidades desse homem. O Velho Brocha notou que os rebentos da Cebola estavam ficando grandes demais, ocupando um espaço maior que a palma das suas mãos, e logo ponderou:

Cquote1.png Mas que porra é essa?! Essas cebolas estão maiores que o meu pinto... Cquote2.png
Velho Brocha.

E então ele investigou, investigou, investigou e chegou a uma conclusão: ele tinha um micropinto. Logo após a primeira conclusão ele chegou a uma segunda: as cebolas estavam tomando suplementos ilegais para crescerem sem parar. O Velho Brocha tirou todos os filhotes da dona Cebola e os deu para o ferro-velho, deixando a Cebola desolada.

Um dos filhotes da Cebola junto com Doutor Roberto.

O fim[editar]

A Cebola estava muito depressiva enquanto as vendas no hortifruti aumentavam mais e mais, o Velho Brocha parecia não ter limites para sua ganância. Metade da população de batatas foi dizimada em três dias e somente uma couve-flor restou do massacre do dia de São João que ocorreu em um domingo. Com seus filhotes longe e amigos mortos a Cebola viu que não teria mais maneira de escapar do hortifruti e decidiu esperar pelo seu destino cruel. A Cebola procurou consolo nos cebolos com quais ela trepou se relacionou, porém todos eles deram o troco por ela tê-los abandonado quando seus filhotes nasceram, esses cebolos foram todos comprados na semana seguinte e brutalmente assassinado por pessoas famintas. Esse foi o mesmo fim da Cebola: ela foi comprada por dois homens usando capacetes que deram R$ 20,00 pela nossa amada Cebola ao Velho Brocha; e assim ela morreu no estômago de dois debilóides, sendo torturada por uma faca antes de ser ingerida.

Os assassinos da Cebola continuam impunes, e usando seus capacetes.

A lição[editar]

Aprendemos que sempre devemos sonhar com dias melhores e se quisermos ter filhos gigantes basta dá-lhes um bom suplemento. Que a memória de Dona Cebola seja guardada por séculos e séculos por vir.