Sistema de cotas

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
(Redirecionado de Cotas)
Ir para: navegação, pesquisa
Alien.gif
T O P | S E C R E T |!
Alien.gif

Atenção! Este artigo é sobre uma teoria conspiratória, então tome cuidado com o conteúdo que estiver lendo.

Enquanto isso, o exército americano está se comunicando com ETs.

Night creature.JPG Sistema de cotas surgiu das trevas!!

Always lurking... Always in the darkness...

Puro osso.gif
Uersfk.jpg

Este artigo é coisa de progressista!

E provavelmente curte quebrando o toba e vai morrer de AIDS!

Mais livros, menos armas.

Wikisplode.gif
Para os neo-ateus que preferem acreditar em mentiras, os supostos experts da Wikipédia têm um artigo sobre: Sistema de cotas.
Resultado da emasculação do Homem Albino das Neves.

O Sistema de Cotas é uma importação pela sub-negrada fake que existe no Bostil de uma ideia de merda criada pela sub-negrada fake existente na Murka. Ela nos diz que crioulos merecem reparações no presente por conta de seus antepassados terem desfrutado de uma excitante viagem de cruzeiro da privada do mundo África até a costa da colônica portuguesa menos importante - tanto que o rei Manuel vendeu o direito de explorar esse pedaço de lixo a comerciantes privados - e mais inútil e lá tiveram de se engajar em escravidão atividades educacionais na base do chicote para ver se esses crioulos da savana seriam capazes de abandonar seus hábitos sub-humanos e selvagens aprendidos naquele monte de bosta que alguns chamam de continente.

Histórico[editar]

O sistema de cotas surgiu na Murka em decorrência do ''white guilt'' que os esquerdistas cor-de-rosa daquela fossa povoada por rednecks, crioulos, sionistas e chicanos sentiam por seus antepassados terem utilizado de trabalho sem sindicalização de alguns turistas africanos.

O fato da maior parte das bichas albinas terem chegado ao país apenas depois de 1870 não impediu o chororô afro até que os homens rosados oferecessem não apenas suas mulheres, mas também cotas na mídia, serviço público, faculdades e cargos de gerência como reparação por 300 anos de educação laboral gratuita que os branquelos ofereceram aos crioulos. Claro que cotas em bocas de fumo de crack, gangues e em quadras de Negroball não foram necessárias.

A verdade é que a negada por lá ficou extremamente mal acostumada desde que em 1863 eles foram dispensados do trabalho pesado e, se aproveitando da situação, começaram a exigir coisas, como poder entrar nos mesmos banheiros que brancos, o que lhes foi permitido em 1965, até o direito ao livro acesso às xoxotas rosadas das baleias de terra albinas, o que lhes foi outorgado em 1970 - porque, todo mundo sabe, nada faz o suor escorrer com mais intensidade da testa do homem afro do que uma loira obesa - até porque, hoje em dia, os poucos albinos recessivos não-gays existentes nos EUA preferem bucetas marrons de comedoras de arroz e funcionárias do Taco Bell.

Durante o governo Lula, o Movimento Negro aproveitou-se do fato do Bananil estar sendo governado por um bando de SJWs e homens emasculados para exigir as mesmas coisas que seus primos do Norte conseguiram. No começo, algumas pessoas tentaram argumentar que 85% dos brasileiros têm antepassados escravos, visto que são todos um bando de híbridos de Satanás, e que se os negros fake queriam as cotas como reparações pela escravidão de ancestrais, então elas deveriam ser oferecidas para 85% dos brasileiros. Claro que os afrochoros não se importaram com essa argumentação e começaram a pular e gritar loucamente numa clara manifestação de seu primata interior num grande Chimpout. Então, sem saída, o governo do Bostil permitiu que as cotas fossem estabelecidas. Contudo, num país que é basicamente dividido entre híbridos de pele amarela e híbridos de pele marrom, aberrações começaram a acontecer, como um irmão poder concorrer a cota e o outro não, mesmo ambos sendo gêmeos univitelinos. Mas é claro que muita gente sabia que isso ia ocorrer, pois o Bananil é basicamente um país onde as pessoas não nascem, mas são montadas: alguns podem receber pele branca, boca de preto, olho de índio, cabelo crespo e loiro e olhos pretos durante o processo de montagem desses legos humanos. Outros podem receber pele marrom, boca de índio, olhos azuis, cabelo liso e vermelho. Ou seja, o Bostil é mesmo um país abençoado... por Satanás.

Por que as cotas foram aceitas pela população recessiva??[editar]

A Explicação da razão é muito simples: todo mundo sabe que a África, antes do Diabo Branco, era um paraíso tecnológico super-rico que, antigamente, recebia o nome de Wakanda. Enquanto o albino das neves estava morando em cavernas e dançando em volta de lareiras dizendo que seus ancestrais viviam ali, o usuário de crack homem afro já construía foguetes, tinha armas a laser, teletransporte, carros voadores, computadores quânticos e todas essas coisas.

Contudo, após a chegada do Diabo Branco, o continente africano regrediu a um estado de barbárie, violência, lutas interétnicas, canibalismo, estupros, fundamentalismo religioso, miséria e todas essas coisas que tinham sido deixadas para trás há mais de 8000 anos pelo homem negro. Claro que os brancos só foram capazes de vencê-los completamente na guerra, dominá-los, escravizá-los e tornarem-nos suas putas pessoais porque o Homem Afro, muito superior, foi enganado pelo terrível Diabo Branco, que, como todos sabem, é muito pior do que a serpente bíblica. Mas, antes de serem enganados e jogados de volta à Idade da Pedra, os homens afros eram reis, ou, em inglês - uma língua, que todos sabem, foi na verdade criada na Nigéria e roubada, como tudo, pelo Diabo Branco - ''We Wuz Kings and shit!!''.

Dessa forma, como reparação por terem destruído aquele outrora florescente e avançado continente e levado seus filhos - que só foram vendidos pelos reis de Wakanda porque esses foram enganados pelo Diabo Branco - para se tornarem trabalhadores sem carteira na colônia bostileira, o Homo albinenses resolveu dar em sacrifício as xoxotas de suas mulheres e reservar vagas em instituições públicas para os filhos de Oxóssi. Na verdade, hoje em dia na Europa muitos homens rosados, principalmente na Escandinávia, estão na verdade oferecendo os próprios cus vermelhos para as rolas cor-de-carvão como reparação pela aniquilação de Wakanda. Ou seja, hoje, o outrora orgulhoso e selvagem homem branco, tornou-se nada mais do que um depósito de porra de crioulos.

Em homenagem a seus ancestrais de Wakanda, os afro-descendentes fazem a oração transmitida por seus ancestrais na língua oficial de Wakanda, o Inglês Ebônico Ugandense (como todos puderam aprender no documentário, que retratava com fidelidade a prosperidade africana antes do Diabo Albino, Pantera Negra):

We wuz kangz and shit niggaz i swear to god man i my fucking family member from each iniquity i was an ancestor egypt man you telling me that that their emblems over there aint black? look at they skin man they black. hey you think you know man like im saying man we tryna go space n shit man like fuck man nigga these goddamn white peple man i sayin man these white peple be ruinin our lives mane shit mane lemme lemme tell you mane my gran grandmama she part Egyptian mane you tellin me little king Tatutatut thats my great great great great great grandpa mane and you tellin me that these goddamn egyptians ain't black shit nigga look look man Julius Caesar's was black I don't know why this history books be lyin to you Julius Caesar's was black he wasn't white he Romans were ruled by by black peple shiet mane I tell you what I swear let all the black people in America go back to Africa they're gonna be god knows what.

Traduzido para a inferior língua portuguesa da favela:

"Nóis era rei e tal, criolo, eu juro por Deus, parça, eu minha porra de família para cada injustiça nóis tinha um ancestral egiptio parça cê tá me dizendo que que os embrema lá num era de preto? Óia pra pele deles eles é preto. ei cê pensa que cê sabe parça tipo eu tô dizeno nóis tentamo i pro ispaço e tal parça tipo foda-se neguinho esses branco fdp parça eu tô dizeno esse branquelo fodero nossas vida parça merda parça dexa dexa eu dizê procê parça minha tataravó era parte egípitia parça tô te dizeno o reizinho Tatutatut era meu tatatatatatatataravô parça e cê tá dizeno que esses puto egiptio não era nego e tal criolo olha olha Julho Cesar era preto Eu não sei por que os livro di história tão mentindo procê Julho Cesar era preto ele num era branco os roumano do passinho eram comandado por por gente preta e tal parça eu falo procê que que eu juro deixa deixa todos os pretos da América voltá pra África eles vão sê Deus lá cê sabe disso"

Homem Afro dizendo para que não se acredite nas mentiras do Homem Branco quando esse diz que os pretos nada contribuíram para o avanço científico e tecnológico da humanidade já que, não apenas egípcios eram pretos, mas mesmo Júlio César era um Homem Ébano. Percebam que se trata de Alberto Barbosa, príncipe da África Europeia, também conhecido por reino de Portugal.