Club Atlético Banfield

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa
Club Atlético Banfield
Escudo do Banfield.png
Brasão
Hino '
Nome Oficial Club Atlético Ban Field
Origem Bandeira da Argentina Argentina - Banfield
Apelidos La Hinchada mas fria del sur!
Torcedores
Torcidas
Fatos Inúteis
Mascote
Torcedor Ilustre
Estádio
Capacidade
Sede
Presidente
Coisas do Time
Treinador
Pior Jogador Nuvola apps core.png
Melhor Jogador Crystal Clear action bookmark.svg.png
Patrocinador
Time
Material Esportivo
Liga Campeonato Argentino
Divisão Primera División
Títulos
Ranking Nacional
Uniformes



Club Atlético Banfield é um time extremamente secundário do futebol argentino, sediado no bairro de Banfield, muito famoso por ser uma equipe que apenas faz figuração nos campeonatos argentinos, por mais de 100 anos cumprindo extremamente bem o magistral papel a que lhe foi incumbido de apenas fazer número, fazer de conta que na Argentina existem muitos times de futebol. Tem como principal rival o Clube Atlético Lanús, para quem é constantemente humilhado e assiste ser mais campeão de tudo, tendo como maior sonho ser um dia campeão da Sul-Americana.

História[editar]

Fundação[editar]

Fundado em 1896 por imigrantes ingleses, que ao perceberem que nas Ilhas Falkland só tinha ovelhas e gelo, decidiram tentar a vida em Buenos Aires, mas que chegando na capital argentina perceberam como seus habitantes eram chatos e tinham todos ridículos cabelos longos como se achassem ser metaleiros ou algo do tipo, então fundaram um subúrbio tranquilo chamado Banfield, e para não morrerem de tédio criaram ali um timinho de futebol inspirado no Burnley FC, ou seja, desde o começo a intenção não era ganhar. Para já firmar-se como um tradicional time argentino detentor das conquistas mais toscas e desprezíveis, o Banfield foi o glorioso campeão da primeira segunda divisão do campeonato argentino realizada em 1899, superando times que nem existem mais, equipes que ao contrário do Banfield foram procurar algo melhor para fazer.

Anos 1920[editar]

No começo do século XX era tudo muito amador, mais ou menos como vemos hoje em dia. O Banfield então dedicava-se a disputar apenas torneios amadores, sendo esta a época em que conquistou um dos pouquíssimos troféus de sua galerias, todos de torneios absolutamente desimportantes, como ser campeão da Copa de Honor Municipalidad de Buenos Aires, campeão da División Intermedia e campeão da Taça do Gelo.

Anos 1930 e 1940[editar]

Em 1931 as pessoas da capital Buenos Aires decidem profissionalizar o futebol na Argentina, porque só assim eles poderiam finalmente parecer mais europeus. O problema é que pouco ou nada se conhecia do que existia além das fronteiras da capital, então timecos como Banfield foram chamados a se profissionalizar para atuarem como se fosse times do interior. Os antigos dirigentes do Banfield, porém, conhecendo bem a incapacidade futebolística de seu clube e a capacidade de fazer merda, decidiram primeiramente declinar a oferta e se mantiveram na sua zona de conforto, nos campeonatos amadores, onde era seu nível de origem.

Mas, pressionado pela AFA, que queria times ruins em seu campeonato, para fazer número mesmo, o Banfield se profissionaliza e em 1935 estreia na segunda divisão profissional. Nessa época tinha a imensa popularidade de trazer 300 torcedores por jogo, quando assumiu a fama de ser o time da torcida mais sem graça e desanimada de toda a Argentina. Logo em 1938 conquistaria o seu primeiro rebaixamento, dentre muitos que ainda viriam.

Em 1940 concluía a construção de seu estádio, o Florencio Sola, até hoje o estádio mais acanhado dentre os times semi-tradicionais da Argentina, e começava a partir dali uma grande tradição de mediocridade, perambulando sempre só o meio da tabela, brigando para não rebaixar e muitas vezes rebaixando, embora depois voltasse, de preferência na maioria das vezes sem nem ganhar a segunda divisão, subindo ficando em segundo ou terceiro.

Anos 1950 e 1960[editar]

Em 1953, mais um rebaixamento, o 10º de sua história. Acostumado com insucessos, como sempre a sua torcida começava ali uma tradição que se perpetuaria muito, a tradição de dar desculpas esfarrapadas, e em 1953 a torcida banfieldiana já tinha uma desculpa na ponta da língua, diziam que o Boca Juniors contratava todos bons jogadores do Banfield. A desculpa foi tão boa que eles usam até hoje sempre que perdem e rebaixam. Dessa vez só em 1960 retornaria para a primeira divisão, quando nenhum jogador foi contratado pelo Boca.

Anos 1970[editar]

Foi então campeão da Primera B (segunds divisão) em 1973! Espera... então quer dizer que tinha sido rebaixado mais uma vez, que merda de time é esse que só passa avida rebaixando? Enfim, buscando evitar tornar-se uma grande chacota devido a tantos e tantos fracassos, nos próximos tantos rebaixamentos ficaria acordado entre a diretoria e jogadores que eles não seriam mais campeão da segunda divisão, e que subiriam de divisão ficando em segundo ou terceiro, porque já estava ficando humilhante uma sala de troféus lotada de taças de campeão só da segunda divisão, e assim o Banfield seguiu evitando ser campeão da Série B.

Anos 1980 e 1990[editar]

Ao longo dos anos 80 e 90 rebaixou umas 7 vezes, não conseguiu evitar de ser campeão da B em 1993, mas nas outras logrou sucesso em subir de divisão sem ser campeão da B, evitando assim causar a impressão de que é o time mais rebaixado da história da Argentina. Tirando isso, não fez nada de bom nesses anos todos de 1980 a 1999.

Era Falcioni[editar]

Em 2003 chegava o técnico Julio César Falcioni, que comandaria o time até 2005 e se tornaria um ícone por ter sido o primeiro a criar um time do Banfield que jogasse como macho e não como garotinhas frescas. O atacante José Luis Sánchez também tornou-se ícone ao atingir a incrível marca de 6 gols marcados em sua passagem pelo Banfiels, tornando-se rapidamente o maior artilheiro e maior ídolo da história do clube, embora tais gols tenham sido todos marcados numa vitória por 6x1 sobre o desprezível Nueva Chicago.

Mas o importante é que foi nessa época que disputou a sua primeira Copa Sul-Americana, em 2014 e a Copa Libertadores em 2005 e depois em 2007. Na primeira oportunidade sequer teve a chance de viajar pra fora da Argentina, sendo eliminado logo de cara para o Arsenal de Sarandí, mas pelo menos na Libertadores de 2005 pode ir conhecer o Peru ao enfrentar o Alianza Lima nas fases preliminares, mas não passaria das quartas-de-final, afinal enfrentaria o tradicional River Plate.

O título[editar]

De vez em quando o cometa Harley passa perto da Terra, da mesma maneira o Banfield ganha uma primeira divisão de campeonato argentino, foi o caso da Apertura de 2009 (equivalente a 1 turno de campeonato brasileiro) a qual conquistou. O sucesso permitiu o time ir participar da Libertadores de 2010, fazendo uma campanha bem discreta, quase imperceptível, eliminado nas oitavas-de-final para o Inter de Limeira, sendo o campeão argentino que mais decepcionou numa Libertadores.

Rebaixamento mais uma vez[editar]

Em 2012, para não perder o costume, afinal teve uns anos 2000 muito bons, foi rebaixado pela 47º vez em sua história, dessa vez ao ser derrotado para um time com nome de órgão excretor, o Colón, mas regressaria em 2013, e claro, evitando ao máximo não ser campeão da B, já está farto de troféus de segunda divisão.

Torcida[editar]

A torcida do Banfield possui a alcunha de La Banda del Sur ("A Bunda do Sul", em português) e não possuem esse apelido a toa, pois são reconhecidamente a torcida mais sem graça da América do Sul. Como o time não empolga nem um pouco, os seus torcedores estão sempre educadamente sentados, num confortável estádio sempre quase vazio, geralmente calados, tímidos por não saber canta ruma música de incentivo ao clube.

Títulos[editar]

  • Segundona: 9 vezes (esse gosta de uma série B - 1899, 1900, 1919, 1939, 1946, 1962, 1973, 1993 e 2001)