Cerco

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa

Nota: Este artigo fala sobre uma estratégia de guerra. Para ver a história em quadrinhos da Marvel, ver O Cerco.
MulekeAK47.jpg Atenção, soldado:

Este artigo é militar e possui muita garra para passar pelas adversidades do inimigo! Melhore-o capinando seu mato, mas se vandalizar, você vai pagar 50 flexões!

Cerco sendo atacado.

Cquote1.png É preciso ter cuidado quando os gregos trazem presentes Cquote2.png
Aviso a respeito de coisas que entram no seu cerco.

Cerco pode significar várias coisas, mas normalmente está ligada a uma estratégia de defesa ou ataque em alguma guerra ou briga de galo. Também chamado de sítio ou assédio, o cerco é nada mais nada menos que um curral onde os animais ficam protegidos ou encarcerados para não fujir.

Modo de defesa[editar]

Um exemplo cômico de cerco de defesa é o próprio ser humano. Antes mesmo de existir o feudalismo, as batalhas cravadas no meio do nada vinham para os vilarejos, mas para isso não acontecer, deu-se a ideia de meter trocentos soldados em volta da cidadezinha, cercando-o e combatendo o inimigo de frente.

Já no feudalismo, as cidades tinham tamanhos avassaladores, por isso colocar humanos em volta dos barracos dos outros era mera burrice, pois sempre faltava um pedaço para cobrir. Foi então construídas as chamadas muralhas, por não existir o parkour elas eram de difíceis acesso, sendo a única opção de entrada a porta de madeira enorme que só abria por dentro.

É, foi mais ou menos isso que aconteceu na novela de Troia.

Nessa mesma época, já que o cerco era de pedra, vários brinquedinhos eram inventados para destruir o cerco, dentre eles, a catapulta era a mais usada, porém pouco efetiva. Por isso desenvolveu-se o cavalo de troia, da qual se dá o nome do cerco, essa técnica do cavalo foi tão boa que foi a única que funcionou, por que além de invadir o barraco do inimigo e roubar seus pertences, também feria o seus sentimentos, afinal ninguém gosta de ser o trouxa, o corno ou o palhaço da turma.

Cerco sendo defendido.

Essa forma de defesa que é bem enfatizada na Idade média, também influenciou na criação dos jogos de tower defense, e você, VOCÊ MESMO pode descobrir como defender o seu cafofo.

Modo de ataque[editar]

No modo de ataque, o cerco é compreendido como uma ditadura, onde você não pode sair ou tomar suas próprias decisões. Se no modo de defesa precisa de uma guerra para formar o cerco, nesse modo, qualquer um pode ser a ameaça do momento, e sem que ninguém perceba, o cerco da opressão é formado e aí começa a desgraça.

O lema do cerco em forma de ataque é formado através da enganação, se as pessoas acharem que estão bem, então elas continuarão dando o apoio ao cerco, caso elas começarem a pensar demais, o bicho pega ali dentro do cerco mesmo e começa a se destruir como numa rinha humana.

Olhe, um cerco (ou pedaço dele).

Ambos os cercos de ataque e de defesa não duram tanto, já que defender um lugar requer dinheiro e gente com o patriotismo lá nos beiços, e atacar requer a façanha do charlatanismo e normalmente vai até o ditador morrer.

Cercos Famosos[editar]

  • Cerco do cachorro: Por volta de 10000 a.C, os seres humanos em uma maneira de tentar domesticar os cachorros, cercaram aproximadamente 100 vira-latas e 2 pinschers num cerco. O que eles não contavam era que duas semanas depois o cerco estava vazio, provavelmente os pinschers comeram os vira-latas e fugiram.
  • Cerco da China: Vários grupos nômades e locais da China construíram a Muralha da China para se proteger contra os mongoloides. Conseguiu proteger mais de 8 mil barracos e até hoje está firme exatamente do jeito que estava a mais de zilhões de anos atrás.
  • Cerco da República das Bananas: Apesar de não físico, o brasileiro está preso a viver na pobreza. Desde 1889, esse é o cerco mais duradouro de todos, e especialistas dizem que ele ainda pode assolar o país por mais 200 anos.

Ver Também[editar]