Caverna de Chauvet

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa
Este artigo é um
Patrimônio Mundial da Humanidade.

Pode ser uma ruína, uma cidade
de merda, um matagal abandonado,
mas está protegido!

World Heritage Site logo.png

Leitura recomendada apenas para
pessoas com cultura.

A UNESCO monitora este artigo.


Caverna de Chauvet (as vezes chamada de Pont d'Arc, as vezes chamada de Chauvet-Pont d'Arc, os franceses são bem indecisos, não é por acaso que possuem a milenar fama de terem uma sexualidade duvidosa) é um grupo de pinturas indecentes em excelente estado de conservação, localizadas em algum lugar remoto da França, uma caverna com exemplos genuínos de arte rupestre que retratam o dia-a-dia do antigo francês, com uma rotina que envolve muita zoofilia, pederastia e outras práticas mantidas até hoje.

Descoberta e exploração[editar]

Localizado perto da pequena aldeia de Vallon-Pont-d'Arc, em Ardèche na França há uma formação geológica chamada Pont d'Arc, considerada a maior buceta do mundo esculpida pela natureza, criada ao longo de milênios de atividade geológica. A região tem portanto diversas cavernas bem quentinhas, que serviam de lar perfeito para os antigos franceses se esconderem de dinossauros, tigres-dentes-de-sabre e outras ameaças da pré-história.

A caverna, todavia, foi descoberta apenas em 1994 por Chaves (do francês, Chauvet) naquele episódio do futebol americano praticado num terreno baldio. Posteriormente, o local com várias gravurar de mulas, jumentos, jegues e quicos tornou-se principal local de estudos de arqueólogos de todo o mundo, já que como todo arqueólogo, eles não tinham absolutamente nada de melhor para fazer da vida.

A entrada no local foi completamente proibida, não devido ao teor indecente e chocante das pinturas que exibiam cenas de zoofilia explícita, mas sim para a preservação daquele patrimônio precioso sobre a história cultural da França, devido a experiência de terem aberto para o público a caverna de Lascaux, cujas pinturas foram com o tempo desgastadas devido ao aroma tóxico que os franceses expelem de seus corpos cobertos em perfume e axilas fedendo à queijo podre, tal aroma (ácido sulfúrico) depositado em pequenas quantidades ao longo dos anos, desgastou as pinturas daquele importante sítio arqueológico, então decidiram proibir a presença de franceses em Chauvet.

Como a visitação no local era proibida, por muitos anos os franceses financiaram mangakas para criarem chocantes páginas de hentai com zoofilia ao longo dos anos, até em 2014 a Disney terminar de criar uma cópia daquela caverna, para visitação. Em comemoração a tal feito, 1 ano depois a UNESCO consideraria a caverna original e cópia comopatrimônio mundial.

Acervo[editar]

Uma das imagens mais famosas da caverna, de 30.000 anos atrás. Uma coleção de 10 aniamsi numa grande suruba sem vergonha.

As pinturas da caverna são datadas de duas épocas distintas, algumas destas pinturas datam de 30.000 a 32.000 anos atrás, e outra porção datam de 25.000 a 27.000 anos atrás, mas o tema é sempre o mesmo: Animais parrudos, viris e muita zoofilia gay, sendo esta caverna uma prova incontestável de que a prática de zoofilia é atemporal e que os franceses não precisam ter vergonha de tal prática que é literalmente milenar.

Há ao todo um total de 435 pinturas destes animais másculos, quase todos sempre estão montados uns nos outros, frequentemente tendo sexo gay, e em casos mais chocantes, currando algum pequeno francês da pré-história.

Além das pinturas, a caverna também tem registros em argila seca das pegadas mais antigas do mundo de goblins, provando categoricamente a existência de tais seres, hoje extintos.

Fósseis[editar]

A caverna de Chauvet também é local de estudo e coleta de fósseis. Muitos animais bizarros já foram encontrados por ali, como por exemplo a sua bisavó e a dentadura do seu pai. Além destes animais mais exóticos, também há ossadas de ursos, do bisonte-da-estepe e do ibex.