Catota

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa

Catota, mais conhecida como flamengo de nariz ou meleca de nariz, é uma substância encontrada dentro das narinas. A catota normalmente tem cor esverdeada ou amarelada, quando retirada em público é vista com muita repugnância, ainda mais quando o dito cujo come a matéria. Muita vezes este elemento nasal ao entrar em contato com a pele pode causar o furunculo, que não é nada agradável. Voltando na questão da catota: O parente mais próximo da catota é o catarro, ou ranho, quando seco e misturado com sujeira se transforma na catota.

Impossível comer um só.

Comendo-a[editar]

Jogador de futebol comendo catota.

Bom, grande parte das pessoas, durante uma certa idade tem o péssimo hábito de comer a catota. Isso inclui você. Segundo a descrição de alguns a catota tem gosto "salgadinho", está mais do que claro que o indivíduo que descreveu o gosto ainda come a catota.


Na escola[editar]

É um fato comprovado pela Academia de Letras do Acre, durante aulas de Matemática e Geografia, os alunos tem o repugnante hábito de retirar a catota e limpar seus dedos debaixo de suas mesas, poucos notam, pois estes alunos sujinhos disfarçam o ato com ses cadernos ou estojos.

O sexto elemento[editar]

Catota em seu estado líquido.

Exato! A catota é o sexto elemento, vindo logo após do quinto elemento, a Coca-cola. Durante a Idade Média, o sexto elemento foi muito estudado pelos Monges Arcanos da Sociedade de Paladinos do Acre. Seus estudos comprovaram que a catota tem poderes de cura e regeneração, sendo usada mil anos depois como matéria prima das Colas JuJu.

Naquela época, os Monges Arcanos faziam uma parceria com os Pintores Neo-Modernistas Armênios do Santo Sepulcro naturalizados em Jerusalém, e estes pintores pagavam com Rúpias Esterlinas pelos serviços dos monges. Ou seja, após estudos com o sexto elemento, estas pesquisas consistiam na retirada do ranho dos pobres camponeses para depois a análise sintática e fabricada. Os restos do estudo, ou seja, o grosso do ranho, era vendido para os pintores, e estes utilizavam o grosso do ranho em sua tinta extra especial, a tinta a óleo, o óleo era extraído do catarro, duradouro catarro!

Depois de alguns anos estudando o ranho, estes magos foram caçados pela igreja e proibidos de catar muco. Para não falirem, criaram vírus em laboratório causadores do muco. Estes vírus não eram nada mais e nada menos do que o vírus da gripe, que se propagou por toda a Europa e causou uma grande quantidade de muco. Os monges iam secretamente até as casas dos camponeses e retiravam o muco, mas mesmo assim o vírus se tornou uma arama de destruição em massa. Os monges não faliram e passaram a se esconder debaixo da terra, tornando-se duendes.