Casa de pobre

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa
Carl Johnson.jpg Essi artigu é faveladu!

Nem por isso tá involvida cum droga, putaria ou ladruagi!

Se vandalizar, vai querer tiro na mão ou no pé?

Este artigo é um esboço.
Na União Soviética, o esboço edita VOCÊ!!

A casa de pobre, provavelmente é a única coisa que este ser abençoado irá conseguir em sua vida. Geralmente, sem reboque nenhum, pode conter muita mais informação do que você imagina.

Construção da casa de pobre[editar]

O Rio de Janeiro é a cidade com a maior concentração de casas de pobre por metro quadrado.

Os pobres, fazem jus ao nome, geralmente não compram casa e vivem com a mãe do homem até o resto de seus dias para pegar a casa da veia. Porém, sem aqueles que alugam, existem aqueles que compram seu próprio terreno, grande erro, pois deveriam ficar na casa da mãe mesmo. Quando a casa está em construção, toda a família ajuda, o pai da noiva é pedreiro, tem aquele irmão que leva os dez filhos para ficarem brincando na obra, construindo coisas horrendas com as lajotas e consequentemente, quebrando-as.

O pobre, quando está construindo sua casa, ao invés de guardar os materiais em um plástico grande, preferem jogar tudo na calçada. Quando o material está na calçada, o cachorro vai cagar lá, vai aquele demoninho da rua brincar ali, sem contar que quando chove o material vai embora, o pobre fica se perguntando o porquê.

Sabendo que terá que limpar o terreno, o pobre fica sem almoçar para lugar uma caçamba de entulho. Antes do pobre encher, os outros pobres da vizinhança jogam de tudo na caçamba, como vasos-sanitários, pisos, areia e tudo mais.

No começo da obra, toda a família ajuda, chega no final de semana, continuam trabalhando, porém quando passa um mês, começam a falar:

Cquote1.png Desculpe, mas hoje tenho compromisso. Cquote2.png

ou então

Cquote1.png Hoje não vou poder ajudar na obra, deixa pra outro dia. Cquote2.png

Isso acarreta uma série de situações, o pobre, vendo que não poderá contar com a família, como sempre, contrata um pedreiro da rua de baixo. Geralmente o pedreiro trabalha uma semana e depois, assim como os familiares do pobre, começa a faltar.

Quando finalmente as paredes e a laje foram levantadas, o pobre, que não consegue esperam merda nenhuma, se muda para a casa, que ficou uma bosta nova.

Aparência[editar]

A casa de pobre tem uma aparência muito peculiar: geralmente sem reboque, pode ter um ou mais andares. Os tijolos sempre estão a mostra. Pobre geralmente compra telha de amianto, provavelmente não tem dinheiro para comprar telha de barro. O banheiro do pobre é espetacular, geralmente o vaso sanitário é branco e mal lavado. Por ele ser branco, as partículas de bosta estão sempre a mostra. Para dar descarga você tem que puxar uma cordinha para uma caixa puxar para ela pra PQP.

Móveis e objetos em casa de um pobre[editar]

Pobre com seu positivo.
  • Sofá;
  • Capa protetora que esconde o sofá que parece um queijo suíço;
  • Televisão de tubo de 500 anos e antena de palha de aço;
  • Aquela foto que tá seu vô e sua vó na frente de um fundo azul;
  • Uma cama de madeira que foi da sua tataravó;
  • Aquele guarda roupa caindo aos pedaços das Casas Bahia, pagando a 68ª prestação;
  • Aquela estante ( que se encostar um dedo já balança e cai) que fica o computador, o liquidificador, a batedeira, a televisão;
  • Um computador péssimo, geralmente é da Positivo ou da CCE;
  • Um celular mais antigo que a Gretchen;
  • Caco de vidro no muro.
  • Capas para botijão de gás, liquidificador, controle remoto, garrafão de água, mesa, carro, etc... só não encapam o pênis na hora de copular e acabam tendo 10 filhos;
  • Tele-sena vencida esperando o tempo de trocar;
  • Talões das Casas Bahia e Marabrás;
  • Copos de requeijão e tuppleware de pote de sorvete contendo feijão

Eventos na casa de pobre[editar]

  • BrigaReunião em família;
  • Almoço depois de velório;
  • Domingão do Faustão aos domingos;
  • Briga por herança - normalmente divisão dos móveis das Casas Bahia;
  • Churrasco comunitário na laje;
  • Prisão por crime ou pensão alimentícia
  • Cenário do Programa do Gugu
  • Homicídio
  • Brincadeiras de criança que na verdade nada mais é que as mães levam seus filhos nas casas de outras mães para fofocar.

Natal[editar]

O Natal é uma das épocas mais comemoradas pelos pobres. Como toda família pobre, a família tem mais de 800 integrantes. Eles nunca se veem, nem no Natal. Porém, sempre tem aquela amiga da prima da tia da funcionário da amiga da filha que trás um amigo porque ele estava sozinho. No Natal, eles fazem uma grande ceia com a metade da família, sempre com os mesmos dizeres:


Cquote1.png E as namoradinhas? Cquote2.png
Tia.
Cquote1.png Aff! Uva passa no arroz! Cquote2.png
Primo chato.
Cquote1.png É pavê ou pacumê? Cquote2.png
Adivinha?
Cquote1.png Mas é torta ou reta? Cquote2.png
A mesma pessoa.
Cquote1.png Quem vai comer meu peru? Cquote2.png
O filho do tio.
Cquote1.png AAAAAAI, continua a mesma coisa sabe, nunca toma um rumo na vida, esse vagabundo... Cquote2.png
Mãe.
Cquote1.png Quando vai casar? Cquote2.png
A mesma tia.
Cquote1.png Você vai ter filhos?. Cquote2.png
Outra tia.
Cquote1.png E o trabalho, não vai arranjar nenhum? Cquote2.png
Pai.
Cquote1.png Ai, que roupa feia! Cquote2.png
Prima fresca.
Cquote1.png Ai, e fulano, como tá? Já casou com aquela vagabunda? Cquote2.png
Mãe de novo.

Sem contar esses dizeres, sempre tem aquele tio bêbado que acaba quebrando o pouco que o pobre tem.