Cafuné (quadrinhos)

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa
Caboco.jpg Bem-vindo à selva!

Este artigo é sobre algo ou alguém localizado no meio do mato e vai te levar para o Lado Verde Escuro da Força. Se vandalizares, Rambo vai descarregar a metralhadora no meio da tua fuça!

Black Cat.jpg Sai de perto, tu é o azar em pessoa!

Este artigo traz relatos de uma criatura azarenta que só se estrepa no dia-a-dia.

Por precaução, deixe o artigo quietinho, mas se você se sentir seguro em mexer, vá em frente.


Não é desse cafuné que iremos falar.

Cquote1.png Você quis dizer: Afago na cabeça? Cquote2.png
Google sobre Cafuné (quadrinhos)
Cquote1.png Experimente também: Cascudo Cquote2.png
Sugestão do Google para Cafuné (quadrinhos)
Cquote1.png Hora do cafuné! Cquote2.png
Tio Teddy sobre Cafuné

Apresentação[editar]

Cafuné é um carinho na cabeça o nome de um personagem do núcleo do meio do mato dos Estúdios Maurício de Souza Produções (local criação de porcarias personagens da Turma da Mônica) criado somente para fazer companhia para o personagem principal da Turma da Mata, o índio Come Mato Papa-Capim. Nascido na oca ao lado da de Papa, a exatos seis anos por aí (haja visto que a maioria dos personagens tem sempre os eternos seis anos), Cafuné nunca foi um poço de inteligência, sendo motivo de piada para todos da tribo. Papa-Capim, que entende muito bem como é ser um verdadeiro idiota e excluído por isso afinal ele também é um, acaba se tornando amigo dele, vivendo ambos em uma miguxês eterna, cuidando da mata, protegendo-se de espíritos malignos e cuidando dos animais que são vítimas de caçadores (em suma, tudo aquilo que os índios de atualmente deveriam fazer e não fazem, por terem conhecido a funcionalidade de um poder muito maior do que de Tupã, o poder do dinheiro, principalmente do que ele pode comprar).

Índio fazer barulho[editar]

É sobre esse Cafuné o artigo.

Desde o começo de sua vida, o pequeno Curumim Cafuné sempre esteva à margem da tribo, principalmente pelo seu nome totalmente tosco de batismo e sem nenhum nexo para os índios dalí (que nem sabiam o significado do nome Cafuné, ou se tinha algum significado afinal), dado pela sua mãe em um dia de muita falta de criatividade e um carinho de macho na cabeça, mas que ela tinha era mesmo preferência somente de um simples bafo na nuca, que já contava muitos pontos ao guerreiro que isso fizesse por ela. Usando somente uma pequena tanga do Lado Roxo da Força, o sonho de Cafuné é ter o reconhecimento de sua tribo e, um dia talvez, tornar-se o Cacique daquela bagaça, conhecida como a Tribo do Rio poluído (haja visto da sua edificação próxima ao rio Tietê). Para conseguir realizar tal missão impossível sonho que tanto almeja, Cafuné tenta ao máximo ser um bom guerreiro, infelizmente é um total loser em se tratando de caça, pesca, macumbas com o Pajé, ou mesmo de uma simples corrida da tribo até o rio para tomar um banho.

Papa-Capim, o único que realmente compreende Cafuné.

Andar com um perdedor no âmbito da cidade já é bem complicado, sendo que, quem assim é, sofre uma exclusão e tanto. Agora imagine andar com um no âmbito das florestas e em uma tribo indígena, onde o preconceito realmente impera, ninguém tem a cara-de-pau de disfarçar e a justiça brasileira não pode intervir nessas questões. Complicado, não? E é assim que começou a vida de Cafuné, que sempre era escolhido por último em tudo, tanto como membro de uma equipe em alguma brincadeira, como para arranjar uma namorada, haja visto que, até hoje, ainda não conseguiu nenhuma sequer mas ele bem que tenta dar uns pegas no Papa. Mesmo com toda essa zica de Zeca Pimenteira que o cerca e não o abandona facilmente como um espírito maligno, Cafuné até que tenta ser um bom índio e, bem no fundo, ele é sim (ou não). Mas a sua estupidez o afasta dia após dia o seu sonho de ser Cacique, tornando-o algo sempre quase fora de qualquer alcance. Foi então que, afim de ajudá-lo com o seu sonho, ou competir para o mesmo cargo, apareceu na vida dele o Papa-Capim.

Papa-Capim x Cafuné[editar]

Papa-Capim e Cafuné, sempre tentando superar um ao outro na ignorância.

Papa -Tudo -Capim é um indiozinho da Tribo do Rio e maior protetor da fauna e flora nativas do buraco lugar onde mora (depois do curupira, da caipora, boitatá e outras mais de oito mil lendas indígenas que colocam alguma criatura criatura antropormorfa como personagem principal). Com sua tanga vermelha e um arco e flecha em mãos, consegue ownar qualquer outro índio no quesito caça, dependendo do dia de humor do criador da historinha da vez (sendo que tem vezes que Papa não consegue nem pegar uma chichila manca nas historinhas). Além de ajudar os animais ameaçados pelos caçadores na floresta, ele ainda visa ajudar os animais existentes em sua tribo, como o Cafuné, que vive sendo chacotado pelos outros indiozinhos, sendo chamado de tonto, narigudo e feio. Mesmo que tudo isso seja verdade, Papa-Capim não gosta que seja feito uma maldade dessas com o idiota Cafuné, protegendo-o e o integrando a sua Turma do Papa-Capim que, de tão chata interessante, acabou ganhando carreira solo nos Estúdios Maurício de Souza.

Eles sempre fazem tudo pelo o seu povo, mas sempre unidos como amigos ou como namorados.

Sendo protegido que nem uma donzela indefesa, Cafuné gosta muito de Papa-Capim o que nos faz desconfiar algumas vezes de sua sexualidade, se espelhando em suas ações e sempre querendo ser como ele, querendo ter tanto a sua inteligência para enfrentar o perigo quanto a capacidade de confiar nos noobs índios da Tribo do Rio. Se não fosse por ele, além de um zero a esquerda (e negativo, para ficar ainda pior), Cafuné ainda poderia acabar virando um caraíba de uma hora para outra, haja visto que sua mente subdesenvolvida é totalmente fraca e influenciável, sendo que, se não fosse por Papa, ele já teria aderido a moda dos índios começarem a usar coisas do homem branco a muito tempo, como em um episódio em que, vendo um biólogo visitando a mata nativa e vestindo desde um colete com um bucado de parafernálias até botas e capacete, decidiu tentar aderir a esse costume "de branco" e construir a sua própria proteção, com partes de coco para fazer tanto um "capacete" como as suas "botas" (é, esse é doido mesmo).

Ver também[editar]