Banco de reservas

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa


Cquote1.png Banco de reservas? Não sei o que é isso, entende? Cquote2.png
Pelé sobre Banco de Reservas

Banco de reservas é o lugar para onde são mandados os jogadores que fazem mais merda em campo do que gols.

História[editar]

A Semifinal[editar]

Um jogador do "Banco" privilegiado... (Ou não)

No ano de 490 a.C aconteceria a semifinal da Copa das Civilizações Antigas da FIFA na Ática, planíce de Maradona Maratona, entre as seleções da Pérsia e Grécia. Naquela época ainda não existia Banco de reservas.

Ambas as seleções eram péssimas muito boas, mas nenhuma tinha algum título da Copa ainda, motivo pelo qual a queriam muito.

A seleção da Pérsia era comandada pelo técnico Dario I e era a favorita da Copa. A guerra partida começou e logo os Gregos marcaram um gol, porque o atacante da Grécia disse ao goleiro idiota da Pérsia que ele havia comido a mãe dele e que esta parecia a Dercy. (sim, a Dercy já era viva naquela época! Ou você achava que ela era mais nova que Jesus?!)

Aos trinta minutos do primeiro tempo, a bola finalmente chegou aos pés daquele atacante novamente, e, como da última vez, ele disse ao goleiro: "Comi a puta da sua mãe ontem! Nem foi bom, hein? Ela parecia a Dercy!"

O goleiro se distraiu e tomou outro gol. Ficou com muita raiva, pois, ao voltar para a Pérsia, seria considerado o culpado pela derrota persa e seria defenestrado, esquartejado e serviria de comida dos Pittbulls de Dario I. Aos 42 minutos, aquele atacante conseguiu a bola novamente e disse a mesma coisa ao goleiro.

Mas dessa vez ele não tomou o gol. Lembrou-se de uma premonição do Mestre Yoda e aproveitou sua careca recém-raspada com Gilette pré-histórica e deu uma cabeçada no adversário. O juiz, um ótimo representante de argentino (filho da puta), ao ver aquilo, disse que o goleiro não poderia continuar no jogo. Usou uma folha manchada com o sangue do atacante e a levantou no ar, mostrando aos jogadores o estrago que o goleiro tinha feito, e os jogadores entenderam que aquilo significava que o goleiro estava sendo expulso.

Naquela época, o juiz era muito respeitado por estar sempre munido de armas potentes do futuro e o goleiro saiu sem reclamar.

Depois disso, a Pérsia, sem goleiro, tomou muitos gols, até que os jogadores se rebelaram e começaram a bater nos gregos. O juiz argentino levantou novamente a folha, mostrando o estrago que ele não queria que ocorresse novamente, e todos os jogadores que estavam brigando correram pra caralho saíram.

A Pérsia perdeu de 24 42 x 1. O único gol a favor da Pérsia não foi a Pérsia que fez, e sim um grego que na verdade era uma mulher loira vestida de homem. Quando o segundo tempo começou, ela não viu que o campo mudou e fez um gol contra.

Mas isso é irrelevante e esperado.

A Final[editar]

A seleção da Grécia se classificou para a final contra a seleção de Roma, cinco dias depois. No entanto, 6 dos jogadores estavam machucados e não poderiam jogar. Roma conquistou o caneco por 11 x 0 (os Romanos não tinham nenhuma loira e nenhum Felipe Melo para fazer gol contra).

E, finalmente, a criação do Banco[editar]

Sentindo-se injustiçados, os gregos reclamaram com os representantes da FIFA da época e estes resolveram criar uma CPI e continuar a enxer a cueca de dinheiro resolveram criar o tal Banco de Reservas. À princípio, o objetivo do Banco de reservas era ter alguém para esquentar o lugar onde os jogadores sentariam, visto que os bancos eram muito gelados jogadores tão bons quanto os titulares para uma possível substituição. Porém, ao longo do tempo, o buraco foi alargando objetivo foi mudando. Veja abaixo os atuais objetivos de um bom Banco de Reservas.

Como Funciona[editar]

Quando um jogador é mandado para o Banco de reservas, ele já sabe o destino dele: dar porra nenhuma. Ser mandado para o Banco de reservas significa que você é ruim. Significa que você não tem habilidade nenhuma, não tem força nenhuma, não vai fazer gol nenhum e que seu salário não vai aumentar. No Banco, os jogadores recebem treinamento específico (que não são mostrados nos jogos por, em sua maioria, conterem cenas fortes). Cada time tem o livre direito de escolher como quer tratar seus jogadores reserva. Veja alguns exemplos:

Banco de reservas da Seleção Brasileira de Futebol[editar]

Objetivos: Fazer o jogador "não desistir nunca". Ou, na linguagem do Capitão Nascimento, treinador do Banco de reservas, "Não pedir pra sair!" Treinamento: Muito parecido com o do BOPE. Felipe Melo aprendeu direitinho as lições, prestou muita atenção na aula do professor Dunga. Inclusive na parte em que Dunga disse: "Tomem suco de laranja! Faz bem para a saúde, e evita gripe! Jogador do Brasil não tem gripe não! Mas façam vocês mesmos o suco: cortem a laranja, espremam a laranja, e depois lavem o copo de suco de laranja!" Incentivo: Quem não aprender a bater (e, pior, quem não bater e for expulso por isso) não poderá ver o Carnaval no Brasil até a próxima Copa que o Brasil levar.

Nota: Outro time que tem treinamento do BOPE é o Chelsea Football Club. Mas o BOPE inglês é mais discreto e ensinam os jogadores a não só matar em campo, mas, também, a não serem expulsos por isso. Mas o método ninja dos holandeses, que você verá logo abaixo, é ainda mais discreto.'

Banco de reservas da Seleção Uruguaia de Futebol[editar]

Objetivos: Aprimorar a capacidade dos jogadores de defender o gol, já que o goleiro não dá conta. Treinamento: Assim como Felipe Melo aprendeu direitinho o nosso treinamento, José Suárez aprendeu e colocou em prática o do Uruguai. É um treinamento simples, porém não muito eficaz: Todos os jogadores têm de defender chutes do Fofômeno ao gol, porém, quando o Ronaldo chuta, eles estão fora da grande área. O goleiro do Uruguai, Muslera, não tomou nenhum gol, por isso foi eleito goleiro. Suárez tomou 1 de 5 chutes. A difernça principal entre os dois é que, enquanto os gols que Suárez não tomou foram defendidos, os gols que Muslera não tomou foram para fora. Incentivo: Quem tomar mais gols será o animador da torcida nos jogos em casa com uma fantasia daquele sol da bandeira do Uruguai.

Banco de reservas da Seleção Alemã de Futebol[editar]

Objetivos: Ensinar os jogadores a fazer gols para que eles possam a) Golear a Argentina e deixar os brasileiros felizes. b) Roubar (ou tentar) o posto de maior artilheiro de todas as Copas que atualmente pertence a Ronaldo. c) Perder para a Espanha por encontrarem uma defesa boa e não estarem prontos para defender, deixando o ataque de merda ruim marcar gols. Treinamento: Também é simples: o técnico divide os reservas em dois times e os coloca pra jogar. Graças ao incentivo (logo abaixo) e à pessima atuação da defesa, há muitos gols nesses treinos, mas eles não valem nada. Afinal, reserva nunca faz gol em jogo válido por alguma coisa. Incentivo: O time que perder vai ter que comer o ranho fortalecedor do técnico. Mas é só um pouquinho para cada um: ele não gosta de dividir.

Banco de reservas da Seleção Marfinense de Futebol[editar]

Objetivos: MATAR. Treinamento: Boxe. Incentivo: Nenhum. Quem/O quê quer ver a Costa do Marfim ganhar?

Banco de reservas da Seleção Holandesa de Futebol[editar]

Objetivos: Ser vice. De novo. Treinamento: Os técnicos holandeses são ninjas. Ensinam aos seus jogadores golpes de karatê, sumô, jiu-jitsu e judô. E ainda ensinam eles a aplicarem os golpes quando o juiz não está olhando. E ainda fazem lavagem cerebral nos juízes, fazendo com que eles se esqueçam da existência do Cartão Vermelho! Incentivo: Suco de laranja pra todo mundo que fizer gol! E, na final, suco de laranja pra quem NÃO fizer!

Banco de reservas do Seleção Argentina de Futebol[editar]

Objetivos: Ser melhor que o Pelé. Treinamento: Ver vídeos de jogos brasileiros cheirando com o Marado(n)na Incentivo: Ver o Maradona lindo pelado no Obelisco.

Banco de reservas do Corinthians[editar]

Objetivos: Treinamento: Incentivo:

Eu tinha escrito algo aqui, mas sumiu misteriosamente. Aliás, alguém viu minha carteira? Estava aqui agora mesmo...

Banco de reservas do São Paulo FC[editar]

Objetivos: Ai, menina! O objetivo aqui é muito simples: queimar a rosca ensinar os bofes a pegar todas as bolas! E eles ficam craques rapidinho! Pena que quando viram craques não são mais reservas, mas é bom ter gente assim representando nosso motel time! Treinamento: Então, amiga, depois de colocar a purpurina no uniforme, a gente vai pro campo né! E lá começa a pegação a gente fica h-o-r-a-s treinando, porque queremos pegar o ser como o Rogérinho! Menina, a gente volta pra casa com o cabelo todo bagunçado, suado, um nojinho! Mas tudo pelos bofes futebol, né? Incentivo: Os bofes, claro! Mas nem precisa de incentivo né! O cafetão treinador pergunta: "Quem quer pegar todas as bolas?" e chove mulher bambi em cima dele!

Banco de reservas do Clube de Regatas do Flamengo[editar]

Objetivos: Comer Macarrão Não sei, eu sou da imprensa e só os jogadores sabem. Talvez nem eles. É que se alguém falar, vira comida de cachorro. Treinamento: A primeira parte foi retirada porque era muito fácil: comer Macarrão uma gostosa e engravidá-la. Segundo agentes da CIA, a segunda parte é esperar o filho nascer, fazer a gostosa sumir misteriosamente (não, isso não tem nada a ver com o treinamento do Corinthians) e, o mais importante: NÃO CONTAR PRA COMIDA (aka. Macarrão) deixar o mistério como um mistério mesmo. Se alguém descobrir, GAME OVER! Incentivo: Quem não cumprir a segunda parte paga pensão. E ganha menos dinheiro pra gastar com prostituta.


Apesar dessas inúmeras técnicas de treinamento, poucos jogadores que ficam mais de um ano sentados conseguem se levantar. A não ser que aceitem um contrato com o Paysandu. Aí é outra história! (A não ser que você já esteja no banco do Paysandu. Aí, meu amigo, ferrou.)

Ilustres Freqüentadores do Banco[editar]