Bakuman

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa
Shonen jump logo 5756.gif
Bakuman...

...é mais um Mangá (que muito possivelmente já virou Anime) da Shonen Jump S/A!
Qualquer semelhança com Luffy... Ou com Shaman King é mera coincidência...
否か...
Spoiler5.JPG ATENÇÃO! O texto abaixo pode conter (ou não) um ou mais SPOILERS!

Ou seja, além de deixar o artigo com mais pressão aerodinâmica nas retas e mais estável nas curvas de alta, ele pode revelar, por exemplo, que Charlie ganha a Fábrica de Chocolates, ou que Harry Houdini foge.

Spoiler3.jpg
Bakuman
バクマン。
Bakuman pag.jpg
Azuki te vejo no dia do casamento! ...ou não.
Gênero Drama, Shōnen, Comédia, Romance
Mangá
Autor Tsugumi Ohba e Takeshi Obata
Divulgação Shueisha (ou não)
Onde sai Internet
Primeira publicação 2008
N° de volumes 8 encadernados
Anime
Dirigido por Kenichi Kasai e Noriaki Akitaya
Estúdio J.C. Staff
Onde passa Japão (dãã)
Primeira exibição 2010
N° de episódios 25
Filmes -
OVAs -

Cquote1.png Você quis dizer: Bakugan Cquote2.png
Google sobre Bakuman
Cquote1.png Você quis dizer: Propaganda da Jump Cquote2.png
Google sobre Bakuman
Cquote1.png Você quis dizer: Baka Man Cquote2.png
Google sobre Bakuman
Cquote1.png Experimente também: Homem Otário Cquote2.png
Sugestão do Google para Bakuman
Cquote1.png Bakumannnnn eu escolho você!!!! Cquote2.png
Ash invocando seu Pokémon
Cquote1.png Você traiu o movimento otaku velho Cquote2.png
Dado Dolabela sobre autor de Bakuma supostamente ter traído o movimento otaku
Cquote1.png Nós não somos otakus Cquote2.png
Ashirogi sobre comentário acima
Cquote1.png Essa turminha de desenhistas vai salvar a revista Jump de falir com seu ótimos desenhos Cquote2.png
Narrador da sessão da tarde sobre Bakuman
Cquote1.png Será que meus desenhos também podem virar mangás *-* ? Cquote2.png
Otaku sobre seus bonecos palitos virarem mangás
Cquote1.png Você quis dizer Superbi Squalo. Cquote2.png
Google sobre Fukuda

Bakuman é um mangá e anime irritantemente sem graça que conta a vida água com açúcar de dois amantes amigos que tem um sonho em comum de se tornarem gays mangakás. É aquele tipo de anime metalinguístico o qual só otakus a níveis mais hardcore (virgens, obesos, fedidos, doentes mentais) são capazes de gostar.

Enredo[editar]

Takagi adora zuar a Mashiro, pois ele tem coisas pequenas.

A história dessa porra começa com Akito Takagi, um nerd bem desocupado e enxerido que decide ter como objetivo de vida viver como mendigo, ou mangaká, mas como ele é um péssimo desenhista, fica só no sonho mesmo de ser mangaká. Mas como ele é otaku, ao invés de ser um escritor de livros que dá trabalho demais, ele prefere procurar alguém para desenhar seus rabiscos suas ideias, e assim sai atrás de algum desenhista aleatório, o que inclui invadir a privacidade de todos na escola e inclusive xeretar o notebook de Moritaka Mashiro, colega de classe que era sobrinho do famoso mangaká Kawagushi Taro. Takagi, ao ver como ele desenhava magnificamente bem, resolve fazer dele seu escravo sexual desenhista de estimação.

Mashiro, todavia, recusa instantaneamente a oferta por não gostar nada dessas coisas de emo otaku fedido e tem como objetivo de vida algo mais digno, porém Takagi é um pentelho insistente e não desiste tão fácil, tentando de tudo para comer fazer de Mashiro seu desenhista. É nisso que Takagi descobre que Miho Azuki, a garota que Mashiro quer comer gosta, tem o sonho de ser atriz pornô dubladora de animes, então leva Mashiro até a casa dessa piriguete e faz ele confessar seu amor, só que o mané é tão virjão que na empolgação acaba pedindo ela é em casamento, o que ninguém esperava é que ela, como toda guria retardada, aceita a oferta indecente e indecorosa, mas o pior dessa cena ridícula toda é que eles decidem se verem pessoalmente só depois que seus sonhos se realizarem, ele assim tornaria-se um grande mangaká e ela uma grande dubladora e assim quando ela dublasse a personagem principal de um anime eles iram se casar. Quem no mundo aguentaria isso? Aposto que você não...

Azuki provando que é só mais uma guria emo retardada.

Após Mashiro um dia perceber que comer arroz é mais importante que alpacas que sua amada daria, digo, se casaria com ele quando ele se tornasse um mangaká famoso e ela uma puta dubladora famosa, ele resolve entrar de cabeça (ui!) no mundo otaku (ou não) e junto com seu no parceiro começam a entrar nesse novo maravilhoso e colorido mundo onde animais falam, pessoas voam, piratas bebem saquê e 99,9% das meninas são peitudas...

Mashiro e Takagi durante sua crise de abstinência por falta de chá de cogumelo.

Primeiramente ele teve que pedir permissão para seus pais para largar os estudos e passar a só pra desenhar, imagina se fosse pra ir a uma festa... Seu pais, como não se preocupam em nada com o futuro do filho, deram a permissão pra ele numa boa e prometeram sustentar o filho mendigo, e ainda mais, ele conseguiu a chave do estúdio do tio que seu avô entregou para ele poder dar suas festas gays trabalhar com sossego. Chegando nesse estúdio Mashiro e seu amigo ainda descobrem a coleção de bonecos infláveis de ação e mangás do tio de Mashiro, um nerd old school que morreu de infarto de tanto assistir hentai.

Mashiro explica para Takagi o que é um name (para os noobs de plantão, é o rascunho do manuscrito, ou seja, o rascunho do rascunho) e diz que Takagi vai ser responsável por essa parte, afinal ele tem que fazer alguma coisa não? E com isso começam a decidir que tipo de mangá ele farão... Mashiro então cria um pseudônimo e passa a se chamar de "A Giromba Muda" (Ashirogi Mudo no Japão - uma junção das letras dos nomes dos personagens olha só a criatividade! Que significa “sonho” e “realizar”) e começa seu trabalho duro de escravo da selvagem indústria de entretenimento japonesa mangaká, publicando o seu primeiro hentai yaoi intitulado de Detective Trap, cujo título já denota o tipo de putaria encontrada nessa obra, que teve um sucesso inicial, mas logo entrou em declínio porque ninguém gosta mais de traps, apenas de mangás de macho até debaixo de outro macho que dê gritos de macho virgem, a moda do momento.

Impulsionado pela vontade de avaliar o quanto são ruins no que fazem, Mashiro e Takagi resolvem fazer um manuscrito nas coxas pra levar pra Jump e pedir para um editor ver se eles levam jeito para ser mangakás, sendo avaliados pelo Sr. Hattori, um editor completamente estranho com cara de morto, mas que apesar da aparência totalmente bizarra ele vê o potencial dos idiotas amigos. Infelizmente o mangá não passa pelo teste de seleção o que dá mais vigor para eles fazerem um melhor da próxima vez, o que acaba não dando certo pois todos os manuscritos que eles levam acabam sendo chutados para longe imediatamente, mas com uma grande pitada de sorte eles conseguem fazer algo que realmente parece prestar e vão competir no prêmio Akamaru Jump, mas como todo mangá tem que ter uma açãozinha, mesmo que seja algo tão banal e parado como Bakuman, o autor resolveu esquentar o mangá (e não foi nada hentai seu pervertido), ele colocou mais um otaku viadinho super foda em desenhar mangás que se chama Niizuma Eiji, um garoto super problemático que fugiu do pai e acha que é mangaka mas que todo mundo ignora esse fato porque ele desenha muito bem (algo que pelo jeito não pode nesse mangá)...

Ashirogi então incia um segundo trabalho pensando nesse competição, que dá o título de Perfect Sex Party, um hentai agora focado em harém e orgias, seguindo as tendências promíscuas de sua época, conquistando assim uma grande quantidade de fãs. O problema é que tal obra não pode ser adaptada para anime porque tinha putaria demais. Acho que já deu pra entender como Bakuman é uma pura enrolação.

Miyoshi mais uma emo retardada como todas as garotas desse mangá
Eiji como sempre falando nada com nada

Após saber que iriam competir contra o Eiji, Mashiro e Takagi resolvem que é hora de parar com a boiolagem e se concentrar em tentar fazer um mangá fodão para derrotar o Eiji, e com toda a putaria ajuda de seu editor eles vão arrumando as falhas de seu mangá (que são muitas). Eles acabam fazendo algo aceitável para competir.

Só que no final, esse mangaká consegue publicar um novo mangá chamado Reversi, mais um yaoi a julgar pelos protagonistas com seus corpos esbeltos e peitorais perfeitamente depilados. E não é que essa historinha de água com açúcar tem final feliz? Azuki consegue seu emprego de dubladora de atriz pornô e se casa com Mashiro. Porque sim. Nos resultados antecipados ele ficaram em primeiro, o que os levou a comemorar em uma boate gay a noite inteira, mas logo a felicidade acabou pois nos resultado finais eles pegaram apenas o 3° lugar, afinal, com aqueles rabisco, primeiro que não seria a posição deles. Perdendo para o Niizuma e para um outro que nem foi citado, pra você ver como eles desenham mal... Mas oc asamento infelizmente não foi cancelado, coitada da Azuki, agora vai ter que pagar promessa.

Personagens[editar]

Mashiro e Takagi em um momento normal
Mashiro tirando inspiração de um hentai para seus mangás.
Mashiro Moritaka (Saiko)
Um dos personagens principais, ele é um gay garoto tímido que fez a burrada de fazer um juramento amoroso completamente imbecil para a garota que ama no qual prometeu que só se encontrariam quando seus sonhos se realizassem, e quando isso acontecer eles se casariam. O seu de Mashiro, todavia, era ser mangaká, mas como os seus desenhos são horríveis não fazem sucesso e mangaká é um ser mais falido que mendigo a história do anime gira em torno do seu drama em achar que provavelmente morrerá virgem... Passa a história inteira, porém, desenhando yaois para tentar quem sabe encontrar o sucesso que tanto persegue.
Akito Takagi (Shujin)
O outro personagem principal da trama, ele não passa de um nerd metido que pensa em viver intensamente curtindo a vida adoidado, mas na verdade não sabe de nada pois realmente acredita que virar um mangaká é o significado de "curtir a vida" (pelo amor de Deus! Os mangakás parecem mais escravos dos desenhistas!), mas quando percebe que vida de mangaká é um inferno, já é tarde de mais MWAHAHAHAHAHA!, mas por sorte ele não está sozinho nessa empreitada e conta com uma idiota a sua namorada Miyoshi e seu amante amigo Mashiro. É um ávido escritor de fanfics, e acha que suas Mary Sues podem um dia virar personagens de mangás de sucssso, então tem esse sonho de tornar Mashiro o seu escravo.
Miho Azuki
A garota que o Mashiro quer comer namora a distância. Ela é super tímida e por isso ela mal entra em cena nas poucas vezes em que aparece, se ela não fosse a namorada do personagem principal seria considerada uma figurante. Apesar de toda timidez e do ar meio de guria retardada, ela quer se tornar uma grande dubladora (mais uma com sonhos imbecis) e assim quando Mashiro se tornar um grande mangaká o que é quase impossível eles poderão transar loucamente pra descontar o tempo perdido se casar e viver felizes para sempre.
Kaya Miyoshi
A namorada do Takagi e amiga da Azuki, uma garota super nervosa e xiliquenta que vive batendo pro no Takagi. Muito ingênua, ela sempre está no estúdio da dupla de paspalhões protagonistas pronta para aliviar a tensão desses mangakás com uma boa dose de sexo chá caseiro e demonstrações despretensiosas de seus peitos balançando sob blusas que não usa sutiã... Isos quando não está pagando calcinha por aí.
Akira Hattori
O editor de Ashirogi Muto que trabalha na Shonen Jump, apesar de sua aparência bizarra que mais lembra um zumbi, ele é um cara legal ou só está querendo comer os mangakás. Ele parece ser um bom editor e sabe o que diz, ou não. Infelizmente nunca teve alguém para aconselhá-lo a parar de usar botox, o que impediria ele de ficar com aquela boca inchada e aparentemente sem reversão.
Eiji Niizuma
O rival de Ashitogi Muto, um super otaku autista fanático que fugiu do hospício e decidiu vira mangaká porque papai Noel disse ele morreria se não desenhasse mais mangás (oh! que meloso). Apesar de ser o rival que o Ashirogi Muto precisa derrotar para provar ser o melhor mangaká, ele sempre está ajudando o protagonistas com lições de sabedoria clichês e idiotas.

O que esse mangá nos ensinou?[editar]

Até eles admitem que são uma dupla de idiotas

Bakuman nos ensina que qualquer um pode morrer virgem se quiser e por pura idiotice. Além disso, os otakus aprendem que também podem virar mangakás mesmo não sabendo desenhar, afinal, em mangás se pode tudo mesmo... Também aprendemos que se você quiser ser um mangaká, você tem que estar preparado para ter uma vida de escravo correndo contra prazos de entrega, passar seus dias confinado em um estúdio úmido e fedido escrevendo mangás para um bando de garotos ou homens barbados julgarem suas histórias e muitas vezes chamarem de lixo sem criatividade e fazer você perder o emprego, o que resultaria em um futuro onde você seria um homem de 40 anos barbado morando com a mãe, fazendo desenho pra crianças virgens, continuando você um virgem.

Mas não fique triste, pois, se por sorte, mas muita sorte, seu mangá for popular o que certamente não vai acontecer você pode ter uma vida um pouco menos infeliz, vai trabalhar ainda mais duro que um escravo, será privado de suas orgias e horas de lazer e viverá em função dos seu mangás sempre com um editor apressado fizer você trabalhar ainda mais rápido, forçando-o a publicar mangás que vão gradativamente ficando ainda mais merda.

Mas caso você não tenha toda essa sorte, você ainda poderá viver do mangá, como um bravo assistente, um "João Ninguém (filhinho da mamãe)" que não fez fama e pra não morrer de fome resolveu trabalhar fazendo fundos de desenho para mangakás famosos, vendo pelo lado bom se é que ele existe você vai ter uma vida mais sossegada que a de um mangaká e ainda pro cima sempre poderá ser contratado pra ficar desenhando para os mangakás preguiçosos...

A maior besteira que um personagem já fez em um mangá