Antártica Brasileira

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa
Rio Bairros em inglês 6.jpg HUEHUEHUEHUEHUE BR BR

Oxe, venha cá, este artigo da porra vem do Brasil! Só fala de futebol, come feijoada, exporta diplomatas, puxa o saco dos EUA, paga imposto pra caralho e põe a culpa no governo pela dificuldade de atendimento médico.


Pinguins.jpg Este artigo é GELAAAAAADO!

Mamutes vigiam o artigo, então vá pra casa, coloque um casaco e beba um chocolate-quente. Cuidado com o Yeti e não lute contra Camus de Aquário!


Antártica Brasileira, o PROANTAR é a região na Antártida que não desite nunca.

História[editar]

Cristo Redentor Antártico. Uma das Sete Maravilhas Geladas do Mundo devidamente agasalhado.

Devido a expansão das cidades brasileiras e suas periferias, a população desprovida de habitações de primeiro mundo no Brasil não tem escolha a não ser desenvolver favelas em morros, na Floresta Amazônica ou na Antártica. O território Brasileiro na Antártica é a opção pelo frio e isolamento que brasileiros podem fazer, considerado no mundo o pior local com condições de saneamento básico e infra-estrutura social-econômica.

Descoberta por espanhóis, a região fez parte do Império Chileno de Pinochet durante muito tempo, porém quando baixou o santo imperialista no governo brasileiro, Duque de Caxias dizimou os paraguaios na Guerra do Paraguai conquistando Santa Catarina e o Pontão da Antártida.

A região se manteve desabitada, até que em 1867, durante as invasões acreanas ao Grão Ducado do Pará, a família real se afugentou do país para a Antártica Brasileira. Criaram então uma colônia na região que perdura milagrosamente até hoje.

A população da Antártica Brasileira é conhecida pela maneira acalorada e bem-humorada de lidar com a vida na região que é uma merda. Por outro lado é o único local no continente onde há risco real de assalto.

A Dinamarca recentemente vendeu todo seu ferro-velho marítimo, pois se aposentou dessa vida e só usa avião para ir à Groelândia e Ilhas Virgens, o Brasil foi o maior comprador nesse negócio e distribuiu as banheiras os barcos vikings dinamarqueses para os brasileiros na Antártica poderem se locomover.

Em 1997, brasileiros assaltaram e roubaram um barco norueguês para manter a praxe de um território brasileiro.

O MST em 2000 causou muitos problemas quando desvirtuou a Reforma Agrária e invadiu diversas fazendas na Antártida.

Atualmente a Antártica Brasileira é um estado brasileiro desconhecido e dominado pela Noruega, treinam na região também a marinha brasileira que se prepara para invadir o Reino Unido.

Política[editar]

Pesquisador brasileiro tomando um sol na proa de seu barco de pesquisas sem dispensar a Antartica

A região surgiu em virtude do PROANTAR (PROgrama ANTA) do governo brasileiro, onde por querer ter uma cidade parecida com a Finlândia decidiu aprontar e matar pinguins para conquistar esse território um dia conhecido com Pinguinlandia

Economia[editar]

O único sustento econômico da Antártica Brasileira é na comercialização dos produtos da Antartica Drinquis, ou seja, cerveja. Produzida do mais puro gelo pisado e cagado por ursos, sendo que a ausência do lúpulo e malte na receita dessa cerveja caracteriza o gosto aguado e único dela.

Geografia[editar]

Treta na Favela do Gelão.

Recortadas por morros, o Pontão da Antártica, a Antártica Brasileira é o ponto mais quente do continente, ideal para o brasileiro típico que não gosta e não entende nada de frio. A habitação principal é a Favela do Gelão onde se encontra a Estação de Pesquisas Meteorológicas do INPE e a barraca do Zé

Único local onde realmente neva no território brasileiro, pois o fenômeno que ocorre no Sul do Brasil é chamado de geada, ou neve de criança, ou neve paraguaia.

Curiosidades[editar]

  • O Gelo Futebol Clube disputa a primeira divisão do Campeonato Brasileiro esse ano.
  • O Carnaval é comemorado na Antártica Brasileira apenas nos dias 8 de janeiro época onde a temperatura do local está mais elevada (-20 Graus Celsius) sendo possível o desfile de mulheres semi-nuas.
  • Juliana Paes, patrocinada pela B.O.A. atualmente habita a Antártica Brasileira.