Angra

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa
Angra
Angraxd.JPG
Origem Morro do Alemão
País Bandeira do Brasil Brasil
Período Terra Média
Gênero(s) Power Metal
Heavy Metal
Metal Melódico
Gravadora(s) ...
Integrante(s) Fabio Limão
Frodo Andróide
Rafael the Nose
Kiko Loirinha
Bruno Pau-Mandado
Ex-integrante(s) Dedé "Musa Nissei-Sansei" Matos
Jesus Cristo
Octoquiles Presta
Edu Quenga Polonesa
Site oficial www.toptravesti.com

Cquote1.png Você quis dizer: Franga? Cquote2.png
Google sobre Angra
Cquote1.png Você quis dizer: dos Reis Cquote2.png
Google sobre Angra
Cquote1.png Pop e Comercial Cquote2.png
Slayer sobre Angra
Cquote1.png MITIICOOOOO! Cquote2.png
Zé graça sobre Angra
Cquote1.png Ganhamos mais dinheiro com comerciais do que tocando! Cquote2.png
Kiko Loureiro sobre Angra
Cquote1.png Faça elevar o cosmos no seu coração Cquote2.png
Angra sobre Seiya de Pégasus
Cquote1.png To get theeeeeeeeeeeeeeeere... vocêês! Cquote2.png
Edu Falaschi sobre não conseguir cantar Carry On e pedir para os fãs lhe ajudarem
Cquote1.png Angra é coisa de nerd encalhado! Cquote2.png
Gótica sobre Angra
Cquote1.png Vocês pensam que nós somos gays? Experimentem ouvir o Shamego... Cquote2.png
Kiko Loureiro sobre Shaman
Cquote1.png Na União Soviética, o Carry On toca VOCÊ!! Cquote2.png
Reversal Russa sobre Angra
Cquote1.png E a banda que é a revolução do Metal nacional... Angra! Angra... é demais cara! Angra é a minha inspiração junto com Eric Adams do Manowar. São demais, cara. Cquote2.png
Massacration em entrevista sobre Angra
Cquote1.png Nós somos melhores... Mas vocês podem continuar ensaiando aí, se vocês quiserem. Cquote2.png
Massacration sobre Angra, depois de fuder derrotar Angra em um duelo
Cquote1.png Se o Edu Falaschi menos e cantaschi mais, talvez o Angra pudesse voltar a ser como era... Cquote2.png
Viúva Fã do André Matos sobre Angra
Cquote1.png Edu é um buom cantante, mas yo sou melhor Cquote2.png
Fabio Lione sobre Edu Falaschi
Cquote1.png Angura! Angura! Cquote2.png
Público japonês sobre Angra
Cquote1.png Nossa, faz tanto tempo que eu não canto com o Rafael e o Kiko... Já sei, vou marcar pra tocarmos juntos em uma reunion! Cquote2.png
André Matos, cinco minutos antes de sofrer um infarto do miocárdio catastrófico

"Essa nova do Dream Theater é tudo de bom, néam?"

Angra é uma banda brasileira de heavy metal idolatrada por adolescentes nerds criados com avó e alimentados a leite e pera. Faz muito sucesso no Japão, país em que 100% da população é adolescente, nerd, emo e tem o pau pequeno. Faz muito sucesso também em eventos de anime, onde os otakus vestem camisetas da banda e pedem para o Edu Falaschi cantar Pegasus Fantasy. Eduzinho gosta tanto do Japão que casou com uma japonesa, toma Mupy e assiste anime antes e após os shows. Tornou-se referência no país do sol nascente, único país em que mais de 1% da população ouve suas músicas.

Definição[editar]

Banda odiada pelos from hell, os quais classificam o grupo de banda de homossexual alienado, e não estão mentindo: fã de Angra só ouve Angra, Andre Matos e Shaman (alguns hereges ouvem Almah). Quando conhecem uma pessoa normal, a primeira coisa que fazem é perguntar: "Você conhece Angra?" e se você responde "não", ele fica indignado, andando atrás de você e enchendo teu saco: "Comooooooo?? Angra é ótimooo, Angra Angra Angra Angra...", não aceitando em hipótese alguma a existência de outras bandas no planeta Terra. Dividem-se em fãs de Edu se meu fusca Falaschi e viúvas de André Matos, que ficam brigando pra ver quem é o melhor vocalista ao invés de ouvirem a música que gostam em paz e se tocarem que o André também está ficando com voz de pato rouco com o passar do tempo.

O que poucos sabem é que a principal influência do Angra é o maior expoente da música emo mundial, o Linkin Park. A letra original da música Nothing to Say, na verdade, dizia o seguinte:

Chester forevermore, Chester today!
Back to my land I've got... Nothing to say!

Mas eles viram que não eram dignos de usar o Seu sagrado nome em vão, e mudaram para uma letra sem sentido e viraram uma banda só ouvida por metaleiros nerds e emos que não conhecem coisa melhor. Suas músicas geralmente falam sobre macumba, sentimentos, amor e macumba.

História[editar]

Antecedentes[editar]

Recém-saído da penitenciária para menores, onde cumpriu pena por assassinato de várias bandas e ouvidos com seus gritinhos agudos, André Matos (mais conhecido como vocalista convidado e gueixa nissei-sansei) resolve deixar a vida do crime de lado e tirar umas férias. Como havia acabado de completar 15 anos e sua mãe não tinha te dado uma festa de debutantes, André Mata resolveu pedir a sua mãe uma viagem: Iria viajar para Angra dos Reis.

Paralelamente a esses acontecimentos, um barbudo pede as contas em seu emprego: seu nome era Jesus. Ele estava cansado de ficar pendurado em cruzes, de presépios e de pentear o cabelo. Então, montou uma banda de Heavy Metal e, dessa forma, não precisaria mais fazer a barba, nem pentear os cabelos, e decidiu pôr anúncios nos jornais a procura de integrantes para sua nova banda. Para não levantar suspeitas de sua real identidade no mundo humano, evitando que crentes corressem alucinados por aí anunciando que Jesus voltou, decidiu adotar um alias: Varg Vikernes Luís Mariutti.

Apareceram inúmeros desempregados a procura das vagas, entre eles Kiko Loroteiro, (filho da dona Florinda e robô fritador), Ricardo Confeitore (ex-doceiro), Rafael Bittenapa (filho do próprio demo). A banda estava então formada. Mas, ora, vejam só! Faltava ainda uma vocalista. Um candidato havia aparecido, caindo dos céus: o André Mata. Ele insistia em participar da banda, queria porque queria ser o vocal, e não entendia que eles queriam um vocal feminino. Até que, após vários dias de insistência, ele venceu pelo cansaço: conseguiu uma auditoria. Todos na então banda-sem-nome pararam para escutá-lo. Após algumas notas, eis o veredicto: "Não, sua voz ainda não é o que queremos. Não insista mais, porra, queremos um vocal FEMININO."

Ao ouvir isso, em uma demonstração de revolta e influência emo, André Mata pega um punhal para cortar o pulso, porém erra o alvo e acaba se autocapando. Ele gritou e praguejou de dor, mas nem mesmo Jesus o ajudou: todos estavam bestificados. Entreolharam-se e disseram em unanimidade: "É isso que queremos! A nova voz de André Mata supera qualquer vocal feminino". André Mata alcança notas altíssimas, como A5, F5 e D6. Você não entendeu? Pois é, nem eu.

Primeira formação[editar]

Mata foi admitido alguns minutos depois. Como forma de se redimir, os outros integrantes deixaram que ele escolhesse o nome da banda. El{{strike|a}e escolheu o nome ANGRA, justificando que esse foi um local muito especial parta ele, pois foi sua viagem de debutante. Mas a verdadeira verdade de fato verídico é que essa é uma sutil homenagem a sua segunda personalidade, a franga, que ele soltava toda noite. Observem que basta remover o F e mudar o local do R. Que espertinho era o Mata! E assim, surgiu o ANGRA!

Seu primeiro disco, Os Anjos Choram, foi um puta sucesso no Japão e na França, porque aqui no Brasil a galera estava se fodendo pra eles. Lançaram um segundo disco, Terra Santa (uma clara homenagem à Israel, terra do baixista da banda). Pegaram o gosto pela coisa, e lançaram mais dois engodos para os franceses e os japoneses gastarem dinheiro: o EP Aviso de Perigo (restos de gravação) e o Santo Vivo (outra homenagem ao baixista, já que Mata estava se apaixonando por ele). Em 1998, lançaram o disco Fogos de Artifício. No lançamento, Matinha descobre que a dupla KLB (Kiko loureiro e Bittenapa) estava muito juntinha. Ele teve ataques de ciúme e largou a banda pouco tempo depois, assim liberando sua segunda personalidade, a franga, mas não foi só isso: levou Jesus consigo, que por sua vez alegou estar saindo por motivos contratuais com seu empresário Judas Iscariotes. Confeitore (o padeiro) pegou o bonde andando junto só pra aprender a receita de Jesus de transformar pedra em pão.

Segunda formação[editar]

Chapinha é o lema da banda.

A dupla KLB (Kiko Loroteiro e Bittenapa) começou a visitar as convenções de anime de São Paulo pra tentarem se distrair e poderem passar por gente normal no meio de tanta gente ridícula vestido de Goku, Naruto e Sailor Moon. Numa dessas animadas reuniões, Kikinho e Rafael conheceram Eduardo Falaschi, também conhecido como Faraschi-kun. Preparava-se para vestir sua armadura de Andrômeda de Shun comprada numa barraquinha do evento, mas os seguranças disseram que não era permitida a entrada de viados ali, o que o fez dar chilique. Rafael percebeu, então, que ele poderia substituir Matinha, pelo menos no quesito frescuragem. Ao voltarem pra casa, trombaram com a dupla sertaneja Frodo e Sam e o baterista Aquiles Priester, três músicos habilidosíssimos e homossexuais o suficiente para preencherem o espaço deixado pela saída de Jesus e André.

Depois de um tempão treinando as músicas antigas, e mesmo com Eduardo de Andrômeda não tendo aprendido as notas agudíssimas de Carry On, o Angra lançou Renascer, que era uma homenagem à igreja do apóstata Apóstolo Estevam Hernandez, atualmente preso no Vanuatu com R$ 10.000.000,00 de dízimos na cueca ungida de Jerusalém. Resolveram imitar a falta de criatividade do álbum Terra Santa: um EP de sobras (Caça e Caçador, homenagem de Eduardo de Andrômeda ao seu ídolo Fábio Jr.) e o CD ao vivo Renascer ao Vivo, que continha músicas gospel inéditas (esse nome foi uma homenagem da banda ao antigo baixista, devido aos seus milagres de ressurreição. Irônico, pois Jesus estava em "outros" rituais). Frodo Andreoli, que engordou massivamente após jogar o Um Anel nas Montanhas da Perdição, assumiu as linhas de baixo. Reza ainda a lenda que, atrás das cortinas do palco do DVD Renascer ao Vivo, havia o monstro mítico da Laguna, que tocava teclado, mas nada nunca foi confirmado.

Mais um tempo se passou e o Angra lançou o Templo das Sombras, nome de um episódio dos Cavaleiros do Zodíaco que o Rafael (e seu nariz) chorou muito abraçadinho com o Eduardo de Andrômeda. Conta a história de um cavaleiro do zodíaco que se fodeu durante as Guerras Clônicas e que resolveu ser uma divindade, mas no final virou mesmo foi uma diva. Foi nessa época que Eduardo de Andrômeda começou a ter problemas vocais resultante das dublagens de Pokémon que ele fazia em todo santo evento de anime. Os fãs chiliquentos se revoltaram e começaram a pagar de saudosistas, falando que era melhor nos áureos tempos de Matinha, Jesus e Confeitore, mesmo que só tivessem conhecido a banda agora.

Finalmente, para completar 15 anos de frescuras, plumas e paetês, a banda lançou o Aurora do Cu sujo, um disco com melodias mais fáceis para "Shun" Eduardo de Andrômeda poder cantar e acalmar os nervos dos fãs, que, por causa de seus esforços em parecer homem, irritaram-se.

Aí você me pergunta: MAS E MATINHA, JESUS E CONFEITORE?
Bem... Depois de saírem da banda, montaram o Chá Mano (um grupo de Rap), juntamente com o irmão de Jesus, Mano João Batista. Depois de três discos, Confeitore se revoltou por ainda não ter conseguido a receita de transformar pedra em pão e mandou Jesus e João Batista à puta que o pariu. Matinha ajudou Jesus a carregar essa cruz, e acabou que ele aprendeu a transformar pedra em pão, mas preferia transformar água em vinho e cachaça.

E assim continuaram, até que a voz de Eduardo de Andrômeda foi para o saco. Desde o Aurora do Cu Sujo, Kiko vinha aguentando suas constantes desafinações e soluços. Como o novo patrão (Kiko Loureiro) era bondoso, decidiu gravar um novo álbum para a banda, o Aqua, que continha melodias mais suaves (mais ainda que o disco anterior, pra você ver como a situação era complicada) dentro do tom da loirinha polonesa. Não foi bem aceito pelos fãs otakus, e pelas viúvas do André Matinha muito menos. Sua voz operística e castrato ajudou a banda a adquirir um som mais "progressivo" e mais homossexual ainda.

Octoquiles Priester saiu da banda para bater seus pauzinhos em outros buracos, tentando inclusive uma audição para o uma bandinha americana de fritação aí, falhando fortemente ao cair em um teste de bateria duma música de 204819008429048901290 minutos com compassos que mudavam em um piscar de olhos.

O Angra foi fazendo vários shows, entre barzinhos de esquina que não pagavam mais que uma caixa de Brahma e o Rock in Rio. Esse último foi a gota d'água. Edu Desafinaschi fazia feio, pedia para os fãs cantarem os refrões porque ele não aguentava, e isso pode ser notado pelas caretas de Kiko Loroteiro, que mais parecia ter chupado limão estragado (tão azedo quanto ele). Acabou que, algum tempo depois, o cavaleiro de Andrômeda foi demitido e voltou para os braços de seu amado Shiryu. Foi chamado, para seu lugar, outro tapa-buraco: Fabio Lione, do Rhapsody of Fire, Labyrinth, Vision Divine, ex-cavaleiro de Athena, etc etc.

Discografia[editar]

  • Alcançando Horizontes (demo)
  • Anjos Choram- Primeiro álbum de nerd metal brasileiro.
  • Terra Sagrada - Álbum feito em homenagem ao baixista Jesus.
  • Chamando a Liberdade' - O que sobrou do álbum anterior.
  • Santo vivo - Com encenação da morte de Cristo feita por ele mesmo.
  • Fogos de Artifícios - Orquestra, solos, orquestra, solos, solos, solos, gritos agudos e mais solos .
  • Renascimento - Primeiro cd de Edu Mangá, otaku de nascença e cavaleiro de Athena. Esse CD fala de algumas batalhas na qual ele já enfrentou com os machões do metal.
  • Caça e Caçador - CD feito por Octoquiles, que levou a maior gaia e foi morar com Edu de Andrômeda. A faixa-título é um cover do sucesso de Fábio Júnior.
  • Templo das Sombras - Nome retirado de um dos episódios dos Cavaleiros do Zodíaco, onde Rafael e seu nariz (e Edu de Andrômeda) choraram muito. Ele conta a história do namorado que vai lutar nas cruzadas, mas acaba se fodendo.
  • Aurora do Cu Sujo - CD que ganhou o Nobel da Viadagem, cujo a capa são dois machos se pegando. Alguns boatos dizem que foi feito após uma orgia entre todos os integrantes da banda.
  • Água de Cheiro - A história conceitual se passa no futuro, mas precisamente em agosto de 2010, e fala de propagandas enganosas dentro do Metal que acabam despertando a fúria avassaladora de uma legião de fãs que irá se manifestar em toda a humanidade. A única salvação é um perfume calmante feito a base de águas-marinhas. Disco repleto de riffs cliches e enjoativos que prometem dar suporte ao tema, instigando a revolta e a paradoxal aceitação do fãs.
  • Jardim Secreto - Primeiro álbum com o novo vocalista pizzaiolo Fabio Lione. As músicas são uma clara referência ao lugar onde a banda se encontrava para fazer seus ensaios. Tem participação especial daquela gostosa do Epica na música que entitula o álbum e também os backing vocals de Alírio Netto (que todos pensavam que entraria no lugar do Edu de Andrômeda).
  • Omninulindo - Cd que foi lançado em fevereiro de 2018. Tem participação da Sandy (cover de "Imortal") e Tiririca (cover de Florentina), Rafael The Nose canta metade do CD, mas mesmo assim o cd ficou tão bom quanto o Templo das Sombras.

Formação[editar]

Em sua formação original contava com:

Edu Manga em um dos episódios dos Cavaleiros do Zodíaco.

E agora, com uma formação não tão orignal assim:

Atualmente tem essa formação, chamada de Tapa-Buraco:

Dias Atuais (pós Falaschito-kun)[editar]

O Angra, que é uma banda em crescimento forte no Brasil, vem se defrontando com sérias críticas destrutivas por parte dos metaleiros mais conservadores leitores da Whiplash.net, pois eles são frescos mesmo. Dizem que os vocais do pizzaiolo Lione não combinam com a banda, que são operísticos demais (nem sabem o que significa isso) para uma banda que sempre teve músicas com vozes agudinhas e felizes, e blablablablablabla preferem continuar ouvindo NXZero e Simple Plan pois não são traidores do movimento nipobrasileiro de nerd metal como o Angra é.

Agora que Kiko Loroteiro está brincando no Megadente, o Angra chamou o Marcelo Barbosa, carinhosamente apelidado de negão dos dread louco que sofre para tirar as músicas do Kiko por ainda ter um coração e uma consciência.

Ninguém sabe onde está Edu de Andrômeda. Boatos de que voltou à vida de Cavaleiro de Athena, se esfregando em homens e pagando bolagato para o Afrodite. Vez ou outra ele aparece em eventos de anime tomando Mupy, mas sempre escondido para não ser linchado pelos fãs otakus que ainda estão revoltados. Ninguém nunca esquecerá daquele fatídico dia no Rock in Rio em que ele pediu para os fãs cantarem o refrão das músicas do André (que nem ele está conseguindo mais). Pegou sua voz ranhenta e seu gogó de madeira e voltou para o Almah.


Ver também[editar]