Aglomerado de galáxias

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa
Zorak.jpg Você está entrando em um mundo desconhecido nas imensidões da escuridão, onde
ninguém pode ouvir seus gritos!

Agora, viajar pelo espaço ficou mais fácil depois que inventaram a Coca-Cola.
Se aconchegue em sua nave e vá tomar um "chazinho" com o E.T. de Varginha.


Cquote1.png Você quis dizer: Suruba de galáxias Cquote2.png
Google sobre Aglomerado de galáxias
Cquote1.png É alguma festa? Cquote2.png
Carla Perez sobre Aglomerado de galáxias
Cquote1.png E as galáxias não ficam sufocadas ? Cquote2.png
Você sobre Aglomerado de galáxias

Mais colorido só o Restart...

Introdução[editar]

Agora me diga qual é a graça tão engraçada em observar aglomerados...

Um aglomerado de galáxias é nada mais que um aglomerado de um monte de galáxias (qual é a dificuldade?). São galáxias amontoadas em um mesmo espaço porque cansaram de ficar sozinhas (algum problema?). Essa formação estranha do universo foi descoberta há muitos anos atrás, naquela época que ainda tinha uma grande quantidade de gente desocupada que se dizia cientista. Os desocupados da vez foram os senhores William Herschel e Charles Messier (falta do que fazer em dose dupla), eles ficavam o dia, digo, a noite inteira vagabundando e olhando para o céu a procura de sabe se lá o quê. Como já se sabe, quem muito procura, acha! Na verdade, eles nem sabiam ao certo o que encontraram, mas sabiam que era algo totalmente (in)útil e indispensável para a humanidade.

A princípio, os dois desempregados cientistas pensaram ter visto alguma nebulosa ou coisa do tipo, mas aquilo parecia ser estranho demais até mesmo para uma coisa estranha, dessa forma, ou aquilo era algo totalmente inovador como aquelas descobertas idiotas sem nenhum teor produtivo, ou ambos estavam loucos (o mais provável).

Infelizmente (para nós) os senhores descobridores não estavam loucos, haviam de fato descoberto algo, mais uma das esquisitices de nosso universo, algo totalmente importante que hoje cumpre bem sua função de preencher glossários: Os aglomerados de galáxias.

Esse nome foi escolhido porque já deixa bem claro o que é a coisa que está sendo nomeada, sem dúvida é um dos nomes mais condizentes que já existiram, sem firulas, enfeites e tal.

O aglomerado é classificado de acordo com o tamanho e a importância das galáxias ali reunidas e também pela quantidade de galáxias participantes. Ele pode ser uma reunião muito chique e com muitos participantes granfinos chamada de aglomerado de ricos e também pode ser apenas uma festinha sem comida nenhuma e um monte de gente da ralé, chamada aglomerado de pobres. As vezes a situação é tão miserenta, que o negócio nem é considerado reunião e o aglomerado é rebaixado a grupo de galáxias.

A grande dificuldade em estudar os aglomerados é que tudo isso é uma coisa muito distante, então não dá para saber exatamente qual galáxia pertence a qual aglomerado, a aglomeração dos aglomerados é tanta, que as vezes uma galáxia pode entrar de penetra no aglomerado vizinho. Uma outra questão sobre este estudo é que ninguém dá a mínima, já que não interessa se o aglomerado de Virgem tem 100 mil galáxias ou 101 mil (vai mudar alguma coisa na minha vida?), logo o estudo dos aglomerados entra como mais uma das inutilidades estudadas apenas para jogar dinheiro fora.

Origem[editar]

Uma imagem do universo sendo observado em duas fatias.

A distribuição de matéria no Universo não é homossexualgênea, pelo menos em regiões com dimensões inferiores a um bilhão de anos-luzes, caso contrário, foderia tudo. Observações de um grande número de galáxias, feitas principalmente nos últimos vinte anos, mostrou que a matéria se distribui em forma de filamentos e muros, porém é claro, sempre podendo haver alguma queda e havendo também entre estas estruturas grandes vazios. Ao longo destes filamentos, com comprimentos de centenas de milhões de anos-luz (algo que chegue perto da benga do Motumbo), existem regiões com densidade de matéria elevada, onde pode haver milhares de galáxias em um volume com dimensão de 10 milhões de anos-luz. Nestas regiões encontramos os chamados aglomerados de galáxias ricos.

Cquote1.png E onde fica o aglomerado de galáxias pobre ? Cquote2.png
Você
Provavelmente, a origem dos aglomerados de galáxias está ligada à estabilidade destes filamentos cosmológicos. Como estes filamentos não foram criados de forma perfeitamente homogênea, a ação da gravidade nas regiões do filamento de densidade superior à densidade média produz um colapso gravitacional da matéria: a densidade destas regiões mais densas (?) tenderiam a aumentar com o tempo. Nestas regiões de alta densidade se formariam as galáxias e os aglomerados de galáxias ricos, e não os pobres. Isto explicaria, inclusive, porque as galáxias são encontradas na maioria dos casos em grupos.

Este processo de formação dos aglomerados é sugerida tanto pelas observações dos filamentos cosmológicos como pelas simulações numéricas feitas em computadores. Nestas simulações, o Universo é modelizado de forma simplificada e pode-se seguir sua evolução em função do tempo. Graças a estas simulações podemos aprender que o processo de formação de aglomerados de galáxias ainda não terminou. Enquanto que a região central da maioria dos aglomerados já está formada e está em equilíbrio, as regiões mias externas ainda se encontram em um processo evolutivo. Em vários casos observa-se mesmo evidências de que um aglomerado rico seja, na verdade, o resultado de uma fuuuu-são! Há! fusão recente de dois aglomerados menores.

Estrutura[editar]

Existe uma grande diversidade de tipos de aglomerados de galáxias. Historicamente, a estrutura dos aglomerados é classificada de acordo com a distribuição espacial das galáxias mais brilhantes no aglomerado (classificação morfológica) ou de acordo com o número de galáxias (ou riqueza do aglomerado). Os aglomerados mais ricos apresentam geralmente uma estrutura mais regular e bem torto simetricamente esférica. Os aglomerados com menor número de galáxias são mais irregulares, muitas vezes apresentando uma distribuição de galáxias achatada, diferente de sua barriga imunda de chop, ela é achatada seu nerd tetudo.

Mais recentemente, a partir da década de 80, foi possível estudar a estrutura dos aglomerados de galáxias a partir de imagens obtidas por satélites artificiais feitas em raios-X, radiação onde o fóton tem energia tipicamente da ordem de 0,1 a 10 KeV (em comparação, os fótons da luz visível têm energia entre 1,7 a 3,2 eV mais a puta que pariu). Foi constatado que na maioria dos casos a estrutura observada em raios-X era semelhante à estrutura observada a partir da distribuição das galáxias. Em raios-X, podemos classificar os aglomerados em regulares, bimodais (onde existem duas subestruturas proeminentes) e irregulares. Com a utilização tanto da distribuição de galáxias como das imagens em raios-X, verificou-se que mais da metade dos aglomerados do catálogo de Abell possuem subestruturas de algum tipo, o que dificulta mais ainda a vida dos nerds tetudos.

Cquote1.png Dificultar ? Só se for o nível de experiência na cama no Tibia. Cquote2.png
Você, caro nerd

Composição[editar]

Isso é uma simulação de uma fatia do Universo feita por H. M. P. Couchman. Algo que um burro como você jamais entenderia.

Ao contrário do que se pensa, um aglomerado de galáxias não é composto apenas por galáxias, e elas também não são as convidadas mais importantes da festa. Apenas as galáxias fazem parte do nome porque o termo galáxia parece ser uma coisa legalzinha e também porque ninguém nem faz ideia do que realmente está lá no meio, logo inventaram nomes científicos complicadíssimos e nomes genéricos sem noção e que não tem nada a ver com o espaço, dessa forma, por uma convenção de estética foi melhor (e mais fácil) que ficassem só as galáxias mesmo no nome.

Mas, como isso aqui não é um dicionário e o autor não está nem aí para nomes, vamos ver os outros componentes que compõem a maior parte do aglomerado. Lembrando que o universo é esquisito demais para ser uniforme, cada aglomerado tem uma composição exclusiva, mas algumas coisas são essenciais a todos e vão ser essas coisas que nós vamos ver.

Matéria Escura[editar]

Como sabemos, tudo no universo é ligado pela força da gravidade, mas isso não interessa, o que realmente importa é que com mais muita perda de tempo, alguns outros desocupados descobriram que a maior parte de um aglomerado de galáxias é composta por um bando de coisas invisíveis, conhecidas como matéria escura, já que ninguém sabe o que é. Muito pior que isso, a matéria escura é como uma nébula, o que a torna nebulosa demais para ser vista invisível.

Mas se a matéria escura é invisível, como sabem que ela está lá? Bom, tudo isso foi descoberto através de um trabalho totalmente (des)necessário que incluía até um novo teorema que ainda não tem nome, mas que dizia um monte de bobagens (como todo teorema) entre elas que as massas do aglomerado tem de estar em equilíbrio com sua velocidade. O fato é que a massa das galáxias visíveis não chega nem perto do que deveria ser de acordo com a velocidade de movimentação do aglomerado (que só por acaso, ninguém sabe exatamente qual é). Toda essa discrepância entre a massa real e a que deveria ser ficou conhecida como problema da matéria escura, que é realmente um problema (mas ninguém está afim de solucionar). Dessa forma deduziram que devia existir algo lá, algo que você pode perder tempo estudando e pesquisando sobre, mas que você não pode ver e nem afirmar o que é.

Muitos anos se passaram e até hoje, com muito dinheiro e tempo gasto ainda não se sabe o que exatamente compõe a parte escura da matéria, descobriram apenas que mais ou menos 80% dos aglomerados são compostos dessa tal escuridão e eles não sabem nada sobre ela, logo concluímos que eles não conhecem porra nenhuma desses tais aglomerados e só estão perdendo tempo achando que algum dia vão conhecer...

Alguns cientistas já desistiram dessa procura e já estão tratando de inventar novas desculpas, digo, novas teorias para justificar o fracasso do descobrimento; dizem inclusive que os aglomerado não são formados por átomos, assim como o resto do universo. Por mais que isso pareça absurdo, pouco importa, até porque sendo eles formados por átomos ou não dá no mesmo!

Outros mais radicais ainda dizem que os aglomerados são formados por átomos sim, mas que todas as leis da termodinâmica e outras leis sobre o universo estão erradas e que novas leis deveriam ser promovidas (sai fora, não vou estudar essa porcaria de novo). Eles podem até estar tentando reinventar a física, agora só quero ver quem vai querer aceitar essa doidura e aproveitar para reinventar o universo de novo...

Gás Intra Aglomerado[editar]

Falando sério... Não tem como gostar disso.

No início dos anos 70, com o lançamento dos primeiros detectores de raios-X orbitais, foi descoberto que os aglomerados de galáxias estavam se surubando ricos são fontes poderosas de raios-X (os raios-X não podem ser observados da superfície da Terra porque são absorvidos pela atmosfera). Nos anos 80, graças a verdadeiros telescópios espaciais sensível aos raios-X, foi possível a obtenção de imagens e espectros dos aglomerados nesta frequência de radiação. Muito do que sabemos hoje sobre a emissão em raios-X de aglomerados é graças aos satélites da década de 90.

A emissão em raios-X dos aglomerados não provem das galáxias (exceto por uma pequena contribuição de algumas galáxias em erupção ativas) mas de um gás tênue que se encontra entre as galáxias e espermeia todo o aglomerado, chamado gás intra-aglomerado. Este gás foi formado originalmente pelo material que sobrou durante da fase de formação das galáxias, o chamado gás primordial composto de Hidrogênio e Hélio que foi sintetizado logo após o Big Bang Attack. Em seguida, este gás foi misturado com o material ejetado das galáxias devido às explosões de super-novas. Este material é rico em elementos pesados como Silício, Níquel, Cálcio e Ferro, que podem ser detectados devido à emissão em raios-X. Nos aglomerados ricos, a quantidade de ferro é proporcional a cerca de um terço da quantidade observada no sol.

Galáxias[editar]

Como já foi dito, apesar do nome, as galáxias são o componente de menos importância dos aglomerados, por isso tanto faz se elas estão lá ou não. Elas só servem para causar densidade dentro do aglomerado e por estarem muito aglomeradas vivem causando barraco e se chocando uma com as outras.

O grande objetivo das galáxias em ficar se colidindo é provocar uma grande fusão, mas para que isso ocorra a colisão deve ser muito louca mesmo, com velocidades de mais de oito mil quilômetros por segundo.

Mesmo sem as colisões, a força gravitacional nos aglomerados bota o terror, para se ter uma ideia, se uma galáxia ousar chegar muito perto da outra poderá ficar totalmente deformada ou ser até mesmo destruída graças à força do campo gravitacional que passeia pelas paredes de vácuo (?) dentro de um aglomerado.

Apesar de todos os riscos, grande parte das galáxias preferem se manter dentro de um aglomerado, pois lá sua chance de crescimento é bem maior (a união faz a força, ou não). Isso foi observado por mais um desempregado cientista do mundo antigo. Ele viu que galáxias aglomeradas a sei lá quantos anos luz de distância eram mais azuis que galáxias solitárias à mesma distância. Não se sabe se é conveniente confiar nas informações desse observador, já que ele era daltônico mesmo, então vai saber que diabo de cor que ele estava vendo e falando que era azul...

Uma curiosidade sobre as galáxias dos aglomerados é que algumas delas são exclusivas, ou seja, não podem ser encontradas espalhadas e perdidas pelo universo (elas curtem uma suruba);a galáxia CD, por exemplo, dizem que só se pode ser encontrada nas maiores densidades dos aglomerados ricos, digo, as densidades acima de 10 trilhões ao cubo vezes dois anos luz (acho que é muito), mas estranhamente, foram encontradas algumas em aglomerados pobres (é que elas resolveram mudar de vida, sabe).

Outra curiosidade sobre as galáxias dos aglomerados é que elas são canibais, pedófilas e assassinas; é muito comum nos aglomerados galáxias mais de trezentos mil vezes maiores que a Via Láctea estuprarem as galaxiazinhas menores durante bilhões de anos luz, matarem e literalmente comerem as coitadas (falei que esse aglomerado é uma pouca vergonha).

O estudo das galáxias nos aglomerados é uma grande falta do que fazer, já que quem quiser ver suruba e essas coisas aluga um filme pornô que é muito melhor. De qualquer forma, é melhor continuar falando que esse tipo de estudo deve ser levado a sério, já que se ele for extinto muita gente que já é atoa vai ficar mais atoa ainda.

Campo Magnético[editar]

Não é bonito ?!

O campo magnético é mais um que compõe o aglomerado de galáxias mas ninguém sabe nada sobre. Especula se que há uma grande formação de campos dentro de aglomerados, mas tudo fica só na especulação mesmo já que ninguém nunca viu (e nem vai ver) e nunca foi lá para provar. Dizem que o suposto campo é formado por elétrons meio diferentes, estes conseguem transmitir ondas de frequência, altíssima frequência pega rádio FM se você souber regular que é sempre captada e medida, mas ninguém nunca entendeu qual é a utilidade e qual é o motivo de toda essa transmissão (será que as galáxias curtem uma musiquinha?). De qualquer forma, ninguém descobriu nada até agora e nem vai descobrir, então entremos na brincadeira de faz de conta e vamos fingir que ainda estamos pesquisando e que quando terminarmos a pesquisa ou seja, nunca vamos concluir essa parte do artigo. Faça um bom proveito do resto...

Conclusão[editar]

Então caro leitor, aqui concluímos este artigo que fará de você um pseudolouco-cientista pouco mais "inteligente" (até porque de você não é esperado nada). Então, caso você não entendeu alguma coisa, leia na Wikipédia, seu inútil se foda, isso não é problema nosso. Se ofendeu? Se foda também. Apenas releia o artigo, e entenda alguma coisa, ou procure outro para ler.