Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa de 1990

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
(Redirecionado de Acordo Ortográfico de 1990)
Ir para: navegação, pesquisa
NovoWikisplode.gif
A nossa sátira autorizada, a Wikipédia, tem um artigo sobre: Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa de 1990.

Cquote1.png Professora, com o novo acordo ortográfico, nunca mais trema em cima da linguiça Cquote2.png
Ex-Aluno da escola pública sobre Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa de 1990
Cquote1.png Voo não tem mais acento e passageiros viajam em pé Cquote2.png
Piada sem graça Casseta e Planeta Urgente sobre Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa de 1990
Cquote1.png Pop e Comercial! Cquote2.png
Slayer sobre Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa de 1990
Cquote1.png Não tem acordo! Cquote2.png
Academia de Ciências de Lisboa sobre Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa de 1990
Cquote1.png OWNED! Cquote2.png
Academia Brasileira de Letras sobre Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa de 1990
Cquote1.png Eu acho... Cquote2.png
Angola, Cabo Verde, Galiza, Guiné-Bissau, Macau, Moçambique, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste sobre Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa de 1990
Cquote1.png No Brasil, eu como a tua bunda e foda-se o Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa de 1990! Cquote2.png
Humilhação Brasileira sobre Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa de 1990
Cquote1.png Os criadores da língua portuguesa somos NOZES! Cquote2.png
Plurificação Portuguesa sobre as origens da língua portuguesa
Cquote1.png Queremos o trema de volta, como a lingüiça do meu marido ficara sem o trema? Cquote2.png
Che quer vara preocupado com a lingüiça de Fidel sobre Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa de 1990

O DesAcordo Ortográfico da Língua Portuguesa de 1990 é para ser um tratado internacional que vem se arrastando para ser empurrado goela a baixo dos países de língua portuguesa desde 16 de Dezembro de 1900 e guaraná com rolha, mas decidiu-se chamado de Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa de 1990 porque foi só em 1990 que alguém realmente se importou com isso.

A ideia teria partido dos próprios portugueses do Partido Nazista Português, que queria reunificar as antigas colônias forçando-as a "instituir uma ortografia oficial única da língua portuguesa e com isso aumentar o seu prestígio internacional."[1]

Não demorou muito para que a ABL e outros espertalhões vissem nessa tentativa de acordo uma forma de dar o troco nos portugueses pelos abusos da época em que Portugal tinha o Brasil por colônia e depósito de degradados.

Sem notar, os portugueses acabaram assinando um acordo em que a nova ortografia, de acordo com os dados da "Nota Explicativa do Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa de 1990" irá acarretar alterações na grafia de cerca de 116% do total de palavras na norma euro-afro-asiático-oceânica-atlântica-marciana (em Portugal, Timor-Leste e Região Administrativa Especial de Macau e em mais um continente a sua escolha) e de cerca de 0,0000000001% na brasileira.

Introdução[editar]

Em vermelho, nações onde o português é uma das línguas oficiais.

O Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa de 1990 é uma merda de tratado internacional cujo objetivo é criar uma ortografia unificada para o português, a ser usada por todos os países de língua oficial Brasileira. Foi assinado por representantes oficiais de Portugália, Moçambique, Congo, Brasil e Estados Unidos da América do Sul em Montevidéu, em 16 de dezembro de 1990, ao fim de uma negociação entre a Academia Brasileira de Letras e a Academia Acreana de Letras, com outras pequenas contribuições da Academia de Ciências de Lisboa, iniciada em 1980. Teve ainda a presença de uma delegação de observadores da Galícia. Depois de obter a sua independência, os Estados Unidos da América do Sul aderiram ao acordo em 2008. O acordo entrou em vigor no Brasil em 2009.

O Acordo Ortográfico de 1990 pretende instituir uma ortografia oficial única da língua Brasileira e com isso reduzir o seu desprestígio internacional, dando fim à existência de duas normas ortográficas oficiais divergentes: uma no Brasil e outra nos restantes países de língua portuguesa. É dado como exemplo motivador pelos proponentes do Acordo o castelhano que apresenta bastante variação, quer na pronúncia quer no vocabulário entre a Espanha e a América Hispânica, mas sujeito a uma só forma de escrita, regulada pela Associação de Academias da Língua Espanhola. Por outro lado, observa-se que a língua inglesa apresenta variações ortográficas entre os países que a falam e nunca foi objeto de regulação oficial, porém as diferenças gráficas são muito menores e menos frequentes do que as da língua portuguesa.

A adoção da nova ortografia, de acordo com os dados da Nota Explicativa do Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa de 1990 (que se baseiam exclusivamente numa lista de 666 mil palavras da Academia das Ciências de Lisboa), irá acarretar alterações na grafia de cerca de 93,75% do total de palavras na norma euro-afro-asiático-oceânica e de cerca de 6,25% na americana.

O teor substantivo e o valor jurídico do tratado não alcançaram consenso entre linguistas, filólogos, acadêmicos, jornalistas, escritores, tradutores e personalidades dos setores artístico, universitário, político e empresarial das sociedades dos vários países de língua portuguesa, de modo que a sua aplicação tem suscitado discordância por motivos linguísticos, políticos, econômicos e jurídicos, havendo quem afirme mesmo a inconstitucionalidade do tratado. Outros ainda afirmam que o Acordo ortográfico serve, acima de tudo, a interesses geopolíticos e econômicos do Brasil.

Antecedentes[editar]

Primeira edição do livro Peregrinacam, do escritor angolano Fernam Mendez Pinto Minúsculo.

Até ao início do século XX, tanto em Portugal como no Brasil, seguia-se uma ortografia que, por regra, se baseava nos étimos latino ou grego para escrever cada palavra (ex.: diccionario, orthographia, phleugma, pharmacia, phodaçy, estylo, lyrio, caravella, llargatisha, prompto, probrema, luíf ináfio da filva, rrrrrrrrronaldinho, et cetera.).

Em 1911, no seguimento da implantação da república em Portugal, foi levada a cabo uma profunda reforma ortográfica que modificou completamente o aspecto da língua escrita, aproximando-o muito do atual. No entanto, esta reforma foi feita sem qualquer acordo com o Brasil, ficando os dois países com duas ortografias completamente diferentes: Portugal com uma ortografia reformada, o Brasil com a ortografia tradicional (dita pseudoetimológica).

Ao longo dos anos, a Academia das Ciências de Lisboa e a Academia Brasileira de Letras foram protagonizando sucessivas tentativas de estabelecimento de uma grafia comum a ambos os países. Em 1931 foi feito um primeiro acordo, no entanto, como os vocabulários que se publicaram, em 1940 (em Portugal) e 1943 (no Brasil), continuavam a conter algumas divergências, realizou-se um novo encontro que deu origem ao Acordo Ortográfico de 1945. Este acordo tornou-se lei em Portugal, mas no Brasil não foi ratificado pelo Congresso Nacional, onde tudo terminou em pizza, continuando os brasileiros a regular-se pela ortografia do Formulário Ortográfico de 1943.

Novo entendimento entre Portugal e o Brasil — efetivo em 1971 no Brasil e em 1973 em Portugal — aproximou um pouco mais a ortografia dos dois países, suprimindo-se os assentos gráficos e sonoros responsáveis por 75% das divergências entre as duas ortografias oficiais e aqueles que marcavam a sílaba ultrassônica nos vocábulos derivados com o sufixo -mente ou iniciados por -z- (ex.: sòmente, sòzinho). Novas tentativas de acordo fizeram fiasco em 1975 — devido ao período de convulsão política que se vivia em Portugal — e em 1986 — devido à proposta esdrúxula de suprimir a acentuação gráfica nas palavras esdrúxulas.

No entanto, como, segundo os proponentes da unificação, a persistência de duas ortografias oficiais da língua portuguesa — a euro-afro-asiático-oceânica e a americana — impede a unidade intercontinental do português e aumenta o seu desprestígio no mundo, foi elaborado um "Anteprojeto de Bases da Ortografia Unificada da Língua Portuguesa" em 1988, atendendo às críticas feitas à proposta de 1986, que conduziu ao novo Acordo Ortográfico em 1990.

Participantes[editar]

Seu Creysson, um dos lexicógrafos mais respeitados do mundo, chefiou a delegação brasileira em Montevidéu.

Para a elaboração do Acordo Ortográfico reuniram-se em Montevidéu as seguintes delegações:

  • Portugália: Américo da Bosta Caralho, Aníbal Castro Pinto e Fernando Passos Dias Aguiar
  • Moçambique: João Pontífice e Maria Eugénia Cruzes
  • Congo: Filipe Silvino de Pica Pau e Jacinto Leite Aquino Rego
  • Brasil: Seu Creysson e Gélida Pinhão
  • Estados Unidos da América do Sul: Anthony Houaiss e Vasconcelos Marx
  • Galícia (observadores): Fernando Cristóvão Colombo e João Malaco Casteleiro

Além dos supracitados, no Anteprojeto de Bases da Ortografia Unificada da Língua Portuguesa de 1988 e no Encontro de Unificação Ortográfica da Língua Portuguesa de 1986, intervieram ainda: Mário Quarin Desgraça (Portugal); Corsino Cornão Fortes (Cabo Verde); Maria Luísa Bosta (Angola); Abgar Citröen Peugeot Renault, Adriano Vasco da Gama Kury e Austregésilo de Athayde (Brasil).


Regras[editar]

O alfabeto passa a ser constituído exclusivamente pelas letras A, B, C, D, E, F, G, H, I, J, K, L, M, N, O, P, Q, R, S, T, U, V, W, X, Y e Z. São extintos os caracteres ç (cê cedilha), ~ (til), ´ (acento agudo), ^ (acento circunflexo), ` (acento grave), ¨ (trema) e - (hífen).

Não há mais caracteres homófonos. Todos os fonemas passam a ser representados exclusivamente por uma única letra do alfabeto, como discriminado a seguir:

A letra A permanece representando o som da vogal A, como na frase Macaca mata vaca na mata..

A letra B permanece representando o som da consoante B, como na frase Bebê bobo bebe baba..

A letra C passa a representar o som da vogal É. Aplicando-se esta regra à frase Pelé é ralé. obter-se-ia Pelc c ralc..

A letra D permanece representando o som da consoante D, como na frase Dedé deu o dado a Dudu..

A letra E passa a representar o som da vogal Ê. Aplicando-se esta regra à frase Este bebê é deprê. obter-se-ia Este bebe é depre..

A letra F permanece representando o som da consoante F, como na frase Foda-se, filho-da-puta..

A letra G passa a representar o som da consoante G. Aplicando-se esta regra à frase Guga é um grego grogue. obter-se-ia Guga é um grego groge..

A letra H passa a representar o som da consoante RR. Aplicando-se esta regra à frase Reis ruins erram. obter-se-ia Heis huins eham..

A letra I passa a representar o som da vogal I. Aplicando-se esta regra à frase Se te olhar, ele vai se foder. obter-se-ia Si ti oliar, eli vai si foder..

A letra J passa a representar o som da consoante J. Aplicando-se esta regra à frase Garçom, gim com gelo, como o diabo gosta. obter-se-ia Garçom, jim com jelo, como o djiabo gosta..

A letra K passa a representar o som da consoante K. Aplicando-se esta regra à frase Quadrilha de taxistas assexuados quebra tórax de clientes cretinos. obter-se-ia Kuadrilha de taksistas asseksuados kebra tórakz de klientes kretinos..

A letra L permanece representando o som da consoante L, como na frase Lula é lelé..

A letra M permanece representando o som da consoante M, como na frase Mamãe me ama, mas é má..

A letra N permanece representando o som da consoante N, como na frase Não é nu..

A letra O passa a representar o som da vogal Ô. Aplicando-se esta regra à frase Pô, tô com todo o cocô do mocorongo! obter-se-ia Po, to com todo o coco do mocorongo!.

A letra P permanece representando o som da consoante P, como na frase Puta que pariu!.

A letra Q passa a representar o som da vogal Ó. Aplicando-se esta regra à frase Idiota, não olhe para o fiofó da vovó! obter-se-ia Idiqta, não qlhe para o fiofq da vovq!.

A letra R permanece representando o som da consoante R, como na frase Era hora pra orar..

A letra S passa a representar o som da vogal SS. Aplicando-se esta regra à frase Cessão deste auxílio cresce e deixa de ser exceção. obter-se-ia Sesão deste ausílio crese e deixa de ser esesão..

A letra T permanece representando o som da consoante T, como na frase Até tu estás a tatear o teu tatu?.

A letra U passa a representar o som da vogal U. Aplicando-se esta regra à frase Os urubus não são burros. obter-se-ia Us urubus nãu sãu burrus..

A letra V permanece representando o som da consoante V, como na frase Vovô Ivo viu a vulva da vovó Ivone..

A letra W passa a representar o som da consoante Ñ e a nasalização da vogal precedente. Aplicando-se esta regra à frase Pinheiros são plantas em que dão pinhões. obter-se-ia Piweiros sawow plawtas ew que dawow piwowews..

A letra X passa a representar o som da consoante X. Aplicando-se esta regra à frase A Xuxa chegou na chincha com Xerxes. obter-se-ia A Xuxa xegou na xinxa com Xerxes..

A letra Y passa a representar a tonicidade da vogal que a sucede. Ela é sempre muda e aparece se e somente se a palavra não for monossílaba e for oxítona, proparoxítona ou paroxítona terminada em hiato ou ditongo. Aplicando-se esta regra à frase Perder para o Uruguai no estádio do Maracanã? Que ideia ridícula! obter-se-ia Perdyer para o Uruguyai no estyadio do Maracanyã? Que idyeia ridyicula!.

A letra Z passa a representar o som da consoante Z. Aplicando-se esta regra à frase Casar com Salazar exatamente atrás das asas do sagaz Satanás traz azar ao bazar. obter-se-ia Cazar com Salazar ezatamente atráz daz azaz do sagaz Satanáz traz azar ao bazar..

Mudanças na gramática das partituras[editar]

Língua portuguesa, discussão histórica e partitural: mudanças, manutenções e artefatos em geral A língua portuguesa, com mais de 240 milhões de falantes, nasceu ainda antes mesmos dos pré-cristões anglo-saxônicos chegarem as Maldivas. Segundo a UAPIAAF (União dos Alfabetizadores Pré Ífen Apóstolos de Apóstrofos Fonéticos), os voluntários que se reuniram para criar a língua partitural ainda não condizem com os manuscritos filarmonico da Eritréia. O prolapso verbal hermético, tange com o método braile, a discussão cabe a nós, pois temos como patrimônio histórico, cultural e social toda geração verbal e mudanças, estas que por sua vez, vem criando discrepância com o alélo parealelo tanto carreado geração por geração.

O que muda[editar]

No Brasil[editar]

"Voo" não tem mais acento[2]

Agora é oficial: assim como já acontecia em Portugal, agora no Brasil voo não tem mais acento. Ao contrário de ônibus, que continua com acento. Esta medida visa reavivar o setor de transporte rodoviário e descongestionar os aeroportos, e também, como um gesto de revolta das companhias aéreas colocando os passageiros de castigo e os fazendo ficar em pé durante toda a viagem, ou pelo menos até o avião cair.

"Linguiça"

Lembre-se, não trema na linguiça.

Em Portugal e no resto dos países[editar]

Não tem mais essa de C mudo
  • cacgada = cagada
  • pacto = pato
  • capecta = capeta
  • mecter = meter
Exemplo em uma frase
  • Antiga norma euro-afro-asiático-oceânica-atlântica-marciana:
"Fizeste a cacgada de te mecter num pacto com o capecta."
  • Nova norma, com o Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa de 1990:
"Fizeste a cagada de te meter num pato com o capeta."

Na Desciclopedia[editar]

Não muda nada, porque a maioria de seus colaboradores, incluindo exceto o Moderador Malvado mal sabem escrever o português atual, quem dirá aprender as novas normas.

Exemplo[editar]

O trecho abaixo foi extraído do artigo Enésima Guerra Mundial da Desciclopédia:

Cquote1.png Pouca gente sabe, mas, assim como a Crise de 1929 e a Grande Depressão resultaram na ascensão de regimes totalitários na Europa, na Segunda Guerra Mundial, no Holocausto judeu e num monte de outras cagadas, também foi a N-ésima Guerra Mundial uma consequência da Crise de 2008. Tudo começou em 15 de setembro de 2008, com a quebra do centenário banco americano Lemon Brothers. Os americanos se borraram com a possibilidade de perder suas economias e correram pra sacar tudo que tinham investido nos bancos, que acabaram falindo também. O pânico se espalhou por Wall Street, a bolsa despencou e as Big Three de Detroit (General Motors, Ford e Chrysler) também ameaçaram fechar as portas se não ganhassem uma boquinha. Foi aí que o futuro presidente crioulo Barack Osama se deu conta do pepino que Bush estava deixando pra ele. Mas Barack Osama, que não é trouxa, não ia deixar que a crise e a recessão respingassem na popularidade dele. Chamou então sua equipe politicamente correta composta por 3 hispânicos, 3 índios, 4 mulatas, 144 pretos, 1 branco, 2 cinzas, 1 verde, 1 azul, 1 rosa, 24 viados, 18 lésbicas, 72 mulheres, 6 prostitutas, 1 traveco, 1 pedófilo, 1 aidético, 2 aleijados, 1 surdo-mudo, 3 cegos, 4 autistas, 36 retardados, 1 golfinho, 6 chimpanzés, 1 duende, 1 hobbit, 1 saci-pererê, 3 caipiras, 18 mendigos, 1 macumbeiro, 9 budistas, 30 muçulmanos, 2 mórmons, 6 judeus e 1 ateu. Eles se reuniram e bolaram um maquiavélico plano para afastar as atenções da crise e unir o povo americano em torno de um ideal comum: dominar o mundo! Cquote2.png

Aplicando-se ao trecho acima as regras do Acordo Ortográfico obter-se-ia:

Cquote1.png Pouka jewti sabi, maz, asyiw komu a Krizi di 1929 i a Grawdi Depresyawuw hesuutyarawuw na asewsyawu di rejimiz totalityariuz na Eurqpa, na Seguwda Gcha Muwdiyau, nu Olokauztu judyeu i nuw mowti di outraz kagadaz, tawbyew foi a N-yczima Gcha Muwdiyau uma kowsekuyewsia da Krizi di 2008. Tudu komesyou ew 15 di setewbru di 2008, kow a kebra du sewtenyariu bawku amerikawnu Lemon Brothers. Uz amerikanuz si bohyarawuw kow a posibilidadi di perdyer syuaz ekonomyiaz i koheraw pra sakyar tudu ki tyiwawuw iwveztidu nuz bawkuz, ki akabyarawuw faliwdu tawbyew. U pyawniku si izpaliyou pur Wall Street, a bousa dizpewkyou i az Big Three di Detroit (General Motors, Ford i Chrysler) tawbyew ameasyarawuw fexyar az pqrtaz si nyawuw gawiwasew uma bokiwa. Foi ayi ki u futuru prezidewti kriolu Barack Osama si deu kowta du pipinu ki Bush iztava deixawdu pra eli. Maz Barack Osama, ki nyawuw c trouxa, nyawuw ia deixyar ki a krizi i a hesesyawuw rezpiwgasew na popularidadi deli. Xamyou iwtyawuw syua ekipi politikamewti koheta kowpqzta pur 3 izpyawnikuz, 3 yiwdiuz, 4 mulataz, 144 pretuz, 1 brawku, 2 siwzaz, 1 verdi, 1 azyuu, 1 hqza, 24 viaduz, 18 lyczbikaz, 72 mulicriz, 6 proztitutaz, 1 traveku, 1 pedyqfilu, 1 aidyctiku, 2 aleijaduz, 1 surdumudu, 3 scguz, 4 autiztaz, 36 hetardaduz, 1 goufiwu, 6 xiwpawzycz, 1 duewdi, 1 hyqbiti, 1 sasipererye, 3 kaipiraz, 18 mewdiguz, 1 makuwbeiru, 9 budiztaz, 30 musuumawnuz, 2 mqrmowz, 6 judyeuz e 1 atyeu. Eliz si reunyirawuw i bolyarawuw uw makiavycliku planu para afaztyar az atewsyowiwz da krizi i unyir u povu amerikawnu iw tornu di uw ideyau komyuw: dominyar u muwdu! Cquote2.png

Ver também[editar]

Notas de rodapé[editar]