Abadia Cisterciense de Fontenay

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa
Francia d.JPG ALLONS EN₣ANTS DE LA PUTARIE!!

Este artigo è ₣rancês! Ele não toma banho, come camembert e faz biquinho. O autor já mendigou na Avenue Champs-Elysèes e è xenofòbico.

Lembre-se de quem perdeu todas as guerras para a Inglaterra.

Este artigo é um
Patrimônio Mundial da Humanidade.

Pode ser uma ruína, uma cidade
de merda, um matagal abandonado,
mas está protegido!

World Heritage Site logo.png

Leitura recomendada apenas para
pessoas com cultura.

A UNESCO monitora este artigo.


A Abadia Cisterciense de Fontenay é uma abadia pertencente a uma ordem secreta e misteiriosa da igreja Católica, ode os monges ficam olhando o tempo passar. Mais detalhes sobre a vida dos monges são desconhecidos, já que eles ficam isolados do resto do mundo e ninguém sabe o que eles realmente fazem dentro da abadia, muito menos tem interesse em saber. A abadia foi construída pela Ordem de Cister, uma das milhares de ordens secretas que fazem rituais desconhecidos que ninguém conhece.

Criação[editar]

Depois de uma crise, tiveram que vender até as lâmpadas do local. Repare que não há rastros de eletricidade no local.

As ordens cristãs competiam entre si para ver quem fazia mais monastérios e abadias, e Fontenay foi feito para encher linguiça, ajudando os cirtercenses a competirem pela liderança. Mas para contar como abadia, o negócio deve ser reconhecido pelo para. Assim, um monge de cister se infiltra no Vaticano, conquista o poder cargo de Papa através de suborno da competência e transforma Fontenay em abadia.

Assim, a Ordem de Cister ultrapassa as demais ordens e assume a liderança no questio quantidade de abadias. Para comemorar a conquista, os monges dão uma festa onde foram convidados vários cantores, artistas de novela e celebridades da época. No começo, os monges não faziam quase nada na abadia, apenas dormiam e rezavam. O dinheiro dado aos monges para que eles vivessem era dado por empresas que patrocinavam a abadia, que em troca tinha que comprar apenas produtos fornecidos pelos patrocinadores.

O resto da história[editar]

Depois da declaração de uma lei que proibia o patrocínio, os monges de Fontenay tiveram que trabalhar para garantir o sustento. Os moradores da abadia sobreviviam da venda de cruzes, relíquias e principalmente bugigangas fabricadas pelos próprios durante o tempo ocioso. Isso durou anos, até que os monges ficaram idosos e conseguiram a aposentadoria.

Aposentados, eles recebiaam dinheiro, já que não precisavam mais trabalhar por causa da idade. Quando chegavam monges mais novos, a abadia corria o risco de não receber mais a grana da aposentadoria. Para não correrem esse risco, um monge mais velho sempre ficava em Fontenay, o que garantia a grana. Depois que os monges mais velhos morreram, Fontenay entrou em crise e foi vendida, virando uma loja de material escolar. Os monges quiseram desocupar a abadia, e para isso pediram a UNESCO para transformar o lugar num patrimônio, desativando a loja.