A Maldição de Samantha

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa
Psycho.jpg
Este artigo é sobre um filme de terror!

É melhor nem lê-lo, a menos que queira encontrar a menina do exorcista. Se vandalizar, a Samara virá te comer pegar daqui à 7 dias!
Night creature.JPG A Maldição de Samantha surgiu das trevas!!

E adora assustar criancinhas!

Puro osso.gif


Cquote1.png Cadê a maldição? Cquote2.png
Você após assistir o filme e descobrir que não tem maldição alguma

A Maldição de Samantha é um filme de terror adolescente dos anos 80 que fala sobre um cara que tem um robô chamado BB que acaba conhecendo uma vadia chamada Samantha, depois o pai dela acaba brigando com ela, joga ela da escada e todo mundo começa a morrer a partir daí.

Sinopse[editar]

Paul e Wall-E BB prontos para roubar mais uma loja.

Paul Walker é um menino gênio que foi com a mãe para outra cidade depois de ganhar uma bolsa de estudos na faculdade local depois de dar uma Dexter e construir um robô parecido com o Wall-E chamado BB que serve como escravinho dele. Na universidade, Paul conhece um cara chamado Tom e uma menina chamada Samantha, e faz amizade com os dois. O pai de Samantha é um bêbado frustrado que desconta os problemas dele na filha, e desce o cacete nela com frequência.

No bairro tem uma chamado Elvira, que vive ameaçando os outros com uma espingarda, e certo dia os três amigos deixam a bola cair na casa da mulher e ela se recusa a devolver, porém, Paul decide mandar o robô dele para buscar a bola e ela senta o dedo no robô, destruindo-o completamente, e para piorar o pai da Samantha acaba jogando ela da escada e ela morre de traumatismo craniano.

Após ver a sua namoradinha morta e seu robozinho destruído, Paul decide pegar o cadáver da menina e coloca o chip no robô no cérebro dela, e de alguma forma ele consegue, bem, consegue mais ou menos, porque a Samantha voltou como um ciborgue vingativo com uma pintura azul ao redor dos olhos que vai matar todo mundo.

Crítica[editar]

Esse filme é aquele tipo de filme que é tão ruim, mas tão ruim, que chega a ser bom. As mortes são ridículas, como por exemplo quando a Samantha joga uma bola de basquete na Elvira e a cabeça da velha simplesmente explode, cena essa que fez o Wes Craven conquistar um Oscar de figurino.