Ábaco

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa
Addition Table.svg Este artigo é relacionado à matemática.

Falhou ao verificar gramática (MathML com retorno SVG ou PNG (recomendado para navegadores modernos e ferramentas de acessibilidade): Resposta inválida ("Math extension cannot connect to Restbase.") do servidor "https://wikimedia.org/api/rest_v1/":): \sqrt{-9}=3i

Cquote1.svg Você quis dizer: Celular da tua avó Cquote1.svg
Google sobre Ábaco

Ábaco lógico, pelo menos era isso que dizia em sua embalagem.

Ábaco é um instrumento não-lógico utilizado na Matemática fazer cálculos grandes sexagesimais. Essa coisa tem vários formatos, mas a mais emblemática é em forma de escada com bolinhas de gude coloridas que vão pra lá e pra cá. Esse instrumento revolucionário foi um dos percussores da fatídica Matemática Moderna, no qual força a sempre querer meter uma fórmula de Bhaskara ou de Coulomb em suas contas.

Surgiu na Mesopotâmia para calcular quantos animais existiam na região.

Antiguidade[editar]

Esqueça o celular, a calculadora e o fax, o ábaco é muito mais antigo do que esses trecos que necessitam de dinheiro para mante-los, já o ábaco, você comprou, você é o dono (amenos que alguém te roube, claro). Também esqueça que Silvio, Dercy ou o teu bisavô são relacionados com esse artigo, porque nem essas múmias sabem como mexer num ardiloso ábaco.

Antes mesmo da Grécia ou Antigo Egito, o ábaco já era festa para quem tinha a tecnologia, já para quem não tinha como andarilhos de pé quente, babavam de inveja de ter um desses, podendo finalmente sair dessa de contar nos dedos.

Acredita-se que o ábaco é um instrumento tão antigo quanto o fogo, ainda quando a humanidade não achava sarna pra se coçar ou ficar chupando manga à toa. O ábaco mais velho encontrado foi um achado de Tião Carreiro, datado em 5500 antes de cristo, pra se ter uma ideia, o número zero nem existia nessa época, podendo muito bem ser substituído por porra nenhuma.

História[editar]

Enviado por Louro José, batizado por Zé Bostola e abençoado por Beiçola, o ábaco vei dos céus para amenizar o quebra pau dos humanos e dos golfinhos na contagem de suas vacas, pois antes, ou era contar nos dedos ou fazer a contagem com uvas passas (aff).

Na Idade Média, o ábaco tinha uma finalidade típica à época, no caso, torturar o clero com quanto de dinheiro eles teriam que roubar embolsar dos crentes, já que os mesmos davam dinheiro para a Igreja Universal porque achavam que iam pro inferno só por se masturbar. Além do mais, ninguém sabia nem mesmo ler, quanto mais saber quanto é 1+1.

Ainda nessa época, ter um ábaco era sinônimo de riqueza (assim como ter velas), pois assim você poderia contar quantas moedas há no seu cofrinho, no entanto, pouco importava, os ricos mandavam outras pessoas contarem sua grana, só para mostrar-lhes o quanto trabalho teriam para realizar a tarefa.

Como funciona[editar]

Ábaco escolar, não confunda-o com estacionamento de bicicleta.

Aprender a mexer num negócio desses é mais difícil do que descobrir a cura do câncer, não dá, é impossível. No entanto, e por sorte, historiadores fizeram um manual de infinitas páginas para entender o funcionamento disso, o manual passa a ser maior do que o livro de Salmos. Enfim, sem enrolação, a explicação de um ábaco:

  • Ábaco de escadinha: Numericamente e logicamente, um ábaco desse tipo é o mais sem lógica te todos, já que ele pode ser utilizado até mesmo de cabeça para baixo, bem como, você pode inventar as regras para uma utilização breve, afinal, ninguém consegue ficar tanto tempo quebrando a cabeça. Alguns ábacos desse estilo, são extremamente ilógicos, parecendo até que os criadores desse troço queriam gozar com a nossa cara. A falta de bolas até o número 10 é uma coisa que deixa qualquer um louco só de olhar para isso, pois qualquer ser que tenha algum bom senso, pelo menos espera que uma calculadora seja fácil e não difícil de se mexer.
  • Ábaco escolar: Inventada na década de 1880, o ábaco escolar é um instrumento de tortura, usável nas escolas para maltratar queles alunos que mais sofrem com os números. Nele existe a possibilidade de adição e subtração, contudo, é impossível dividir, visto que o número zero não está nele.